A interdição, sobre a qual o Governo não fez qualquer anúncio público oficial até ao momento, está detalhada num despacho assinado pelo “chefe do posto do aeroporto”, o inspetor de Polícia Ernesto Maia e dirigida a todos os serviços.

O despacho, a que a Lusa teve acesso, em papel timbrado da Direção Geral do Serviço de Migração do Ministério do Interior, está datado de hoje e é assinado pelo “chefe do posto do aeroporto”, inspetor Ernesto Maia.

“Relativamente ao vírus que ocorre na província chinesa de Wuhan, e com base na orientação do ministro ao Diretor Geral do Serviço de Migração e da orientação verbal ao chefe do posto do Aeroporto de Díli, a partir de agora não está autorizada a entrada de cidadãos com passaporte da China em Timor-Leste”, refere o texto.

O despacho pede que a informação seja partilhada com todas as agências no aeroporto a quem pede a colaboração para a sua implementação.

Apesar de várias tentativas não foi possível à Lusa contactar nem com o ministro interino do Interior, Filomeno Paixão, nem com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Dionísio Babo, para comentar a decisão.

Hoje, a organização não-governamental timorense Fundação Mahein tinha manifestado preocupação por eventuais limitações a cidadãos chineses, devendo qualquer restrição ser aplicada “a todos os viajantes da China para Timor-Leste, independentemente de etnia ou cidadania”.

Até ao momento, a única pessoa que ficou em quarentena “não é um cidadão chinês”, mas um soldado das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), que esteve em formação na cidade de Wuhan, centro do surto do novo coronavírus.

Todos os países de onde há ligações aéreas diretas para Timor-Leste — Singapura, Austrália e Indonésia — têm em vigor restrições que impedem a entrada de cidadãos estrangeiros que tenham estado na China nos últimos 14 dias.

No caso de Timor-Leste o despacho refere apenas a nacionalidade do passageiro e não a sua origem ou se esteve ou não na China recentemente.

A China elevou hoje para 362 mortos e mais de 17 mil infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

Desde dezembro já surgiram 17.205 casos em toda a China da doença que levou a Organização Mundial de Saúde (OMS) a decretar uma emergência mundial e que já se espalhou a 20 países.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há mais casos de infeção confirmados em 24 países.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.