A má gestão do estilo de vida, o stresse, os alimentos transformados e o ambiente contaminado estão na origem de grande parte dos problemas com os quais nos deparamos no dia a dia.

A nossa forma de gerir a saúde implica-nos direta e individualmente. Devemos responsabilizarmo-nos mais quanto ao nosso bem-estar físico e mental.

Também a Medicina deve ter em conta todas as facetas da realidade de um indivíduo. O ser humano vai muito além da soma dos diferentes órgãos que o compõem. É por isso importante que a medicina olhe para a pessoa de forma preventiva, focando a manutenção da saúde, de forma personalizada, concentrando-se no indivíduo e não apenas nos seus sintomas.

Participativa e assente numa relação de parceria e confiança entre médico e paciente e preditiva, ou seja, baseada em resultados previsíveis, como orienta a ciência.

Daqui resulta um conceito de medicina funcional, direcionada às causas do mau funcionamento dos órgãos e respetivas alterações bioquímicas que deles decorrem.

Este conceito de medicina funcional pressupõe uma abordagem dinâmica no sentido de prevenir e tratar perturbações crónicas tão complexas de que sofre uma grande parte da população. Estas perturbações resultam de uma interação entre o ambiente, o modo de vida e a predisposição genética. O indivíduo é assim a materialização única de um conjunto de influências externas e internas responsáveis pela saúde ou pela doença.

A medicina funcional e natural interessa-se pelo paciente em todas as suas dimensões, indo diretamente à origem, percorrendo o caminho em sentido inverso para refazer a história do indivíduo, conhecer o seu ambiente, tentando eliminar causas de mal estar e apostando na compreensão dos processos que derivaram em doença.

Partindo da perspetiva do indivíduo de uma forma preventiva e com o todo o seu foco em preservar a saúde, podemos dizer que o mesmo deverá sentir, diariamente, presente o conceito de vitalidade.

Como poderá o ser humano trabalhar o seu processo de revitalização?

Uma das mais belas atividades é a prática de Chi Kung num local de meditação com vista para as montanhas ou para o mar, observando as mais subtis mudanças de brilho e cor.

Todo este conceito poderá ser, energeticamente, transportado mesmo para os cenários de casa, escritório ou qualquer outro que não inclua, fisicamente, montanhas ou mar.

O conceito de saúde do indivíduo deverá basear-se no sistema de energia, sendo este ligeiramente diferente da carne, sangue e ossos. O sistema de energia funciona como um sistema de “controlo” do corpo humano que decalca a estrutura básica. Só com um sistema de energia equilibrado e em boas condições conseguimos ter boa saúde.

A nossa energia deverá existir no ser humano de forma equilibrada, fluente com boa qualidade e volume.

A prática regular de Chi Kung, é algo que o indivíduo pode fazer por si, deixando-o com energia e força para a vida, mantendo-o saudável e minimizando o processo de envelhecimento. Este é um dos modos de manter vitalidade e alcançar o bem-estar, de conservar o corpo, a mente e o espírito íntegros e em equilíbrio.

Texto: Brahmi Wellness

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.