Os sonhos são tão diversos e variados quanto as pessoas que os sonham. Às vezes são calmos e pacíficos, às vezes ousados e desafiantes. Às vezes estamos a ler um livro no silêncio da vastidão encantadora de um castelo abandonado, outras estamos a atravessar uma ilha infestada de cobras, a lutar contra javalis ou a fazer uma aterragem forçada a bordo de um avião.

Às vezes lembramo-nos do que sonhamos, outras vezes não, e quando nos lembramos muitas vezes são apenas pedaços de um grande quebra-cabeças que nunca será totalmente compreendido. Acordamos naquele estado de espírito meio adormecido e meio acordado, perdidos num labirinto de perguntas, uma névoa de confusão. O que acabou de acontecer? Onde estamos? Isto realmente aconteceu ou foi apenas um sonho?

Os sonhos podem ser tão envolventes quanto confusos. O que eles querem dizer? Revelam os segredos ocultos da nossa psique? Oferecem vislumbres dos nossos pensamentos e sentimentos mais íntimos? São uma porta para uma parte desconhecida da nossa mente e alma? Ou são algo totalmente diferente?

O que são sonhos?

Os sonhos são uma atividade mental que ocorre durante o sono, de natureza involuntária e não intencional. Os sonhos são expressos principalmente por meio de imagens visuais, muitas vezes de natureza muito vívida, e são caracterizados por uma estrutura narrativa - na qual quem dorme é geralmente o personagem principal.

Além disso, os sonhos costumam ser caracterizados por reações emocionais que podem influenciar o nosso humor mesmo depois de acordar.

Quando sonhamos?

Quando dormimos passamos por diferentes fases do sono que são caracterizadas pela presença ou ausência de movimentos oculares específicos conhecidos como Movimento Rápido dos Olhos (Rapid Eye Movement), à qual a fase REM deve o seu nome.

As fases do sono são divididas em N-REM e REM e a fase N-REM consiste em 3 subfases chamadas N1, N2 e N3. Antes de entrarmos no sono REM, primeiro passamos pelas 3 subfases N-REM. Enquanto a N1 dura apenas 1 a 5 minutos, a N2 leva cerca de 25 minutos no ciclo inicial e estende-se a cada ciclo sucessivo. Já a N3 é a fase mais longa que dura entre 20 a 40 minutos.

Consequentemente, depois de dormir em média 90 minutos, entramos no sono REM, que dura cerca de 10 minutos. Após o primeiro ciclo, cada estágio REM que se segue torna-se cada vez mais longo. Este processo é conhecido como ciclo REM-NREM e continua durante toda a noite. Uma noite típica de sono pode conter quatro a seis ciclos.

Hoje, sabemos que os sonhos ocorrem durante todas as fases do sono (REM e N-REM) mas os sonhos mais vívidos e bizarros acontecem durante a fase do sono REM, na qual o nosso corpo está paralisado mas o cérebro está altamente ativo. Os cientistas do sono Eugene Aserinsky e Nathaniel Kleitmann, da Universidade de Chicago, descobriram que começamos a fazer movimentos horizontais rápidos com os nossos globos oculares durante uma parte específica do sono, que é o estágio do sono REM. Eles também descobriram que as pessoas costumam ter memórias vívidas dos seus sonhos se acordadas durante essa fase do sono, fase também conhecida como “sono dos sonhos”.

Porque sonhamos?

A comunidade científica ainda não foi capaz de dar uma resposta abrangente a esta questão.

A teoria mais prevalente é que os sonhos refletem simbolicamente experiências de vida perturbadoras e examinam disfarçadamente as reações de autoproteção. Outra hipótese é que o sonho reorganiza a memória para atividades recém-adquiridas e melhora a recordação de informações e habilidades relevantes. Outra escola de pensamento afirma que sonhar controla diretamente a atenção, desperta sentimentos e melhora a flexibilidade de pensamento pós-sonho e as reações emocionais.

Assim, o propósito de sonhar não é totalmente compreendido, embora sejam importantes especialmente para duas áreas da nossa vida diária: o processamento da memória e o controle do humor.

De acordo com a neurociência, o sonho combina memórias visuais, perceptivas e emocionais, conforme defendido pelo pesquisador americano do sono Robert Stickgold (1946) e outros pesquisadores. O sonho N-REM pode envolver processos que envolvem o hipocampo (uma área pequena e profunda do cérebro), bem como o fortalecimento da informação declarativa e a movimentação através das dimensões espaciais. Além disso, os sonhos N-REM são influenciados pelos eventos do dia anterior.

Em contraste, os sonhos REM são influenciados por memórias e aprendizagens do passado. Por esse motivo, é possível afirmar que sonhar é uma representação consciente da memória e do processamento emocional que ocorre “offline” enquanto dormimos.

A neurociência também afirma que os sonhos absorvem e lidam com as experiências emocionais do dia a dia, relacionando-as com experiências passadas e integrando-as à sua autoimagem. Os sonhos podem ter um conteúdo tão aterrorizante que nos despertam, acompanhados por memórias sólidas da experiência emocional.

Na verdade, a visualização da atividade cerebral durante o sono mostra que sonhar ajuda a regular o humor, demonstrando uma ativação significativa da amígdala, outra importante área do cérebro envolvida no controle da emoção.

Consequentemente, podemos supor que o sono REM está associado à regulação do humor, enquanto o sono N-REM está associado ao processamento da memória.

De acordo com a neurocientista e especialista em sono da Emma - The Sleep Company, Dra. Verena Senn, “sonhar é importante para processar emoções que teve durante o dia e contribui para a consolidação de memórias com grande carga emocional, funcionando como um mecanismo de resolução de problemas que simula o mundo real enquanto dormimos. É importante obtermos a quantidade certa de sono de qualidade para sermos capazes de ter uma boa experiência de sonho que começa quando entramos no sono leve, passa pelo sono profundo e atinge o estágio crucial do sono REM, quando os nossos cérebros se tornam mais ativos no processamento de experiências emocionais não resolvidas da vida desperta que contribuem fortemente para a consolidação da memória emocional”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.