Hoje em dia passamos muito mais horas com colegas e chefes do que propriamente com a nossa família e amigos. Um chefe tem o poder de influenciar todo o ambiente em seu redor, com o seu comportamento, quer pela positiva, quer pela negativa. Sem darmos conta dos sinais e alertas, mais ou menos evidentes, podemos adoecer lentamente até chegarmos a um estado no qual já tudo está perfeitamente descontrolado.

Preguiçoso e sem ideias? Estes 15 alimentos talvez o ajudem
Preguiçoso e sem ideias? Estes 15 alimentos talvez o ajudem
Ver artigo

Chefes tóxicos geralmente são altamente qualificados, mas não têm a menor noção dos estragos que fazem à sua volta. Pior do que isso, acham sempre que estão a agir de forma correta.

Existem demasiados trabalhadores a sofrer por terem de trabalhar com pessoas difíceis, sendo que esta questão se torna ainda mais delicada quando nos referimos a chefias, pois são estes que têm o poder de gerir pessoas e projetos.

Chefes que inibem competências

Todos conhecemos alguém vítima de um chefe stressado, rude, mal formado ou disfuncional, que em vez de estimular capacidades, de multiplicar talentos e aproveitar o melhor de cada um, inibe pessoas e competências. Outra característica muito comum de chefias tóxicas é a capacidade em reter talentos.

As organizações muitas vezes toleram trabalhadores com comportamentos inadequados pois o seu objetivo são os resultados imediatos ou a curto prazo. Aos poucos vai sendo gerada uma toxicidade com consequências perversas para organizações, trabalhadores, desempenho, famílias e para a própria sociedade.

É possível controlar o stress com os 10 conselhos destes cardiologistas
É possível controlar o stress com os 10 conselhos destes cardiologistas
Ver artigo

Estes trabalhadores suscitam ambientes de desconfiança e mau estar, que levam a um aumento do absentismo, abandono da organização, actos de sabotagem, baixos níveis de motivação e um fraco desempenho dis colaboradores. Tal pode gerar problemas de saúde e bem estar nos membros da organização e respetivos familiares.

Aos poucos vai-se assistindo ao aparecimento de comunidades onde impera o stress e as suas consequências físicas e psicológicas, com concepções distorcidas daquilo que deveria ser a ideia de um local de trabalho saudável.

Como combater este ciclo?

Estes trabalhadores entram num ciclo onde todas as manhãs fazem um esforço sobre-humano para se levantar e encontrar forças para encarar um novo dia, num meio onde se sentem a sufocar e onde já não conseguem ter um foco nem motivação. Não se despedem porque sabem que o desemprego é um flagelo social e têm contas para pagar e filhos ou famílias para sustentar.

Não temos formas de mudar a personalidade de um chefe tóxico, mas podemos encontrar estratégias para lidar com a adversidade e com isso conseguir algumas melhorias ou ligeiras alterações de comportamento.

A personalidade mantém-se, mas o comportamento pode mudar. Por exemplo, com gestores e chefes que vivem em permanente stress: o segredo muitas vezes passa por não entrar em “braços de ferro” e não debater opiniões. No fundo, consiste em cingir-se aos factos e manter a neutralidade.

Se possível exponha por escrito as suas opiniões ou assuntos que precise de ver tratados. Esta é uma forma simples para garantir que não se geram equívocos desnecessários. Perante um chefe injusto ou mesmo disfuncional, é sempre preferível que mantenha uma postura polida, bem educada e afirmativa.

10 características que fazem de nós pessoas mais inteligentes (ou não)
10 características que fazem de nós pessoas mais inteligentes (ou não)
Ver artigo

Importa ainda ressalvar que todos os chefes têm as suas susceptibilidades e fragilidades, pelo que nenhum gosta de se sentir ameaçado, pois torna-se ainda mais agressivo e inclinado a retaliar. Ou seja, em vez de ver um problema resolvido, passa a ter dois ou mais. Resguarde-se, mantenha alguma distância, foque-se nos objetivos e cumpra escrupulosamente aquilo que são as suas tarefas, sem que se deixe dominar pelo medo.

É de extrema importância que o trabalhador não tome como ofensas pessoais as investidas de pessoas tendencialmente agressivas pois o seu estilo implica sempre alguma falta de critério e objetividade.

Em todas as áreas da nossa vida existem emoções positivas ou negativas. As organizações não são excepção. O problema de tais emoções não advém portanto da sua existência, mas da forma como são ou não geridas.

Não tenha medo de mudar e sobretudo nunca se esqueça da importância de uma boa saúde mental.

Um artigo de Marta Martins, psicóloga nas Clínicas Leite.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.