Se o seu amigo de quatro patas exibe um comportamento e sintomas atípicos, isso pode ser sinal de que está doente. Doença de Lyme, otite externa, parvovírus canino, tosse do canil e vómitos são, segundo a DECO PROTESTE, algumas das questões de saúde mais comuns nos cães.

As raças de cães mais amigas da família
As raças de cães mais amigas da família
Ver artigo

Alguns destes problemas são muito contagiosos, podem deixar sequelas ou ser fatais para os animais. É o caso da doença de Lyme, causada por uma bactéria transmitida pela picada de carraça. É mais frequente nas zonas campestres e apenas uma minoria dos animais afetados apresenta sinais da doença, como febre e inchaços no corpo. Mesmo depois de curada, pode causar dores crónicas nas articulações. Se não for tratada pode levar a danos nos rins, sistema nervoso e coração ou a morte. Proteja o seu cão das carraças com produtos repelentes e inspeções frequentes; consulte o veterinário sobre a utilidade de vacinar contra a doença.

As inflamações nos ouvidos (otites) são geralmente acompanhadas por infeções e originadas por alergias alimentares, bactérias e fungos, entre outros. Provocam sintomas como o abanar da cabeça e o coçar insistente da orelha. Casos mais raros de otite média podem causar falta de coordenação motora e vómitos. Limpe e inspecione os ouvidos do seu cão semanalmente. Se tiver orelhas peludas e caídas, deve tosquiá-las, pois está mais vulnerável ao problema.

O parvovírus

O parvovírus canino é muito contagioso, sobretudo para cachorros que ainda não foram vacinados. É causado pelo contacto direto com um animal doente, mas também pelo contacto indireto, através de fezes contaminadas, por exemplo. Cuidar a higiene do seu cão e vaciná-lo são as melhores formas de o proteger deste vírus.

A tosse do canil é uma infeção respiratória transmitida pelo contacto direto ou indireto com animais infetados. Propaga-se velozmente em canis e outros espaços confinados habitados por muitos cães. Os sintomas são tosse seca e persistente e, por vezes, vómitos. Não costuma ser grave e passa em cerca de 10 dias, mas pode evoluir e é muito contagiosa. Pode ser mais severa em cachorros não vacinados e cães idosos. A vacina não impede totalmente o contágio, mas atenua a gravidade da doença.

Caso o seu cão tenha vómitos, procure controlá-los com mudanças na dieta. Se persistirem ou se se acompanharem de outros sintomas ou sangue, consulte um veterinário, pois podem indiciar problemas graves.

Desparasitados a cada 6 meses

Os cães devem ser desparasitados a cada 6 meses (ou de acordo com a regularidade indicada pelo veterinário) e têm de ser vistos pelo veterinário, pelo menos, 1 vez por ano, para manter o esquema de vacinação em dia, nomeadamente a vacina da raiva. Esta é obrigatória a partir dos 3 meses de idade e só pode ser administrada a animais com identificação eletrónica (chip). Custa € 5 durante a campanha anual de vacinação e € 8,80 € no resto do ano. Esta campanha é divulgada, online e em diversos locais públicos, pelas câmaras municipais. Recomenda-se ainda as vacinas da esgana, hepatite por adenovírus, parvovirose, leptospirose e tosse do canil.

Os gastos com a saúde dos animais não são comparticipados pelo Estado, mas pode deduzir 15% do IVA na declaração de IRS. Se fizer um seguro para animais, pagará menos pelos tratamentos. Se lhe é difícil comportar os custos, peça conselho a associações de animais próximas sobre como obter consultas mais baratas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.