É já no dia 24 de fevereiro que a Academia entrega os Óscares e o filme do realizador grego Yorgos Lanthimos, ‘A Favorita’, é o concorre a mais estatuetas, a par de ‘Roma’.

Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Edição, Melhor Atriz (Olivia Colman), Melhor Atriz Secundária (Rachel Weisz), Melhor Atriz Secundária (Emma Stone), Melhor Fotografia, Melhor Argumento Original, Melhor Guarda-Roupa e Melhor Direção Artística. É nestes dois últimos que vamos falar e perceber a magia que se esconde por detrás das saias históricas deste filme.

O baixo orçamento para o filme

A maioria dos trajes e perucas foram feitos a partir do zero. O orçamento era muito apertado, então alugá-los não era viável, seria muito mais caro. O início do século XVIII é raramente retratado em filmes, por isso é que existem poucas fábricas com roupas apropriadas disponíveis. Perante este cenário, os 'cabelos' e os fatos foram construídas sob encomenda, depois desconstruídas e reutilizadas noutras cenas. Aliás, existia um ‘trailer’ só para transportar as perucas.

A responsável pelo guarda-roupa Sandy Powell teve que dividir funções entre este filme de época e o de fantasia "O Regresso de Mary Poppins", também de 2018. Felizmente, ambas as produções usaram espaços de trabalho adjacentes no Pinewood Studios. Ambas produções resultaram numa indicação ao Óscar de Melhor Guarda-Roupa.

O diálogo afiado (às vezes extravagante), passando pelo cabelo e maquilhagem, até ao preto e branco no guarda-roupa são grandes trunfos deste filme, além do portentoso trabalho das atrizes.

Além de proibir o spray de cabelo durante a rodagem, era o próprio realizador que fazia questão de ir pentear [e despentear] o cabelo das atrizes. "Eu fazia um penteado e ele [Lanthimos] colocava sempre os dedos, mudando tudo para não parecer tão certinho”, diz Nadia Stacey, responsável pelos penteados e maquilhagem do filme, em declarações ao Fashionista. Ela teve ainda ordens para não maquilhar as três atrizes.

O guarda-roupa do trio feminino destaca-se pelas cores monocrómaticas, o preto e o branco, algo que, devido ao orçamento baixo, ajudou Sandy Powell. Esta abordagem simplificada, mas ainda assim visualmente espetacular, ajudou as três mulheres principais a destacarem-se, tal como o enredo que as une. Já as personagens masculinas do filme são extravagantes e pomposas.

"Estou muito orgulhosa porque o filme é sobre estas três mulheres", diz Stacey. “Quando vemos o filme não queremos ver uma pintura, não queremos nada a distrair o espetador. O filme é sobre elas e as suas histórias.”

O filme foi filmado principalmente com a luz solar disponível ou iluminação prática, como velas e lareiras. O diretor de fotografia Robbie Ryan manteve o equipamento de iluminação de reserva, mas usou muito pouca luz adicional, uma vez que durante a rodagem as temperaturas foram altas e com muita exposição solar.

ABIGAIL HILL (EMMA STONE)

Emma Stone em cena de 'A Favorita'
Emma Stone interpreta Abigail em 'A Favorita' créditos: Film4

A personagem de Emma Stone entra na história como mais uma criada do palácio, cuja posição vai subindo à medida que a história avança, até se tornar a conselheira de eleição da Rainha.

Os trajes, penteados e maquilhagem da personagem vão evoluindo à semelhança da sua posição, começando com roupas simples de criada feitas a partir de ganga usada e terminando com imponentes vestidos de cauda, sempre sem fugir das cores já referidas, o preto e o branco. Tal como os trajes, os penteados e maquilhagem vão do simples até ao exagerado, culminando num estilo "novo rico" algo sinistro e perturbador.

LADY SARAH CHURCHILL, DUQUESA DE MARLBOROUGH (RACHEL WEISZ)

5. THE FAVOURITE
Estreia a 7 de fevereiro no nosso país. Grande Prémio no Festival de Veneza (uma espécie de segundo lugar), este filme realizado por Yorgos Lanthimos conta a história de duas mulheres (Emma Stone e Rachel Weisz), que na Inglaterra do início do século XVIII disputam a atenção da frágil rainha inglesa Ana (Olivia Colman, vencedora do prémio de Melhor Atriz). créditos: Mag

Os vestidos da época eram compostos essencialmente por três peças: uma saia, um corpete e uma espécie de manto, que se colocava sobre a saia ou conjunto de saia e corpete.

Aproveitando este facto, Powell desenhou uma série de peças modulares versáteis que lhe permitiram elaborar diversos conjuntos.

Foi o verdadeiro jogo do 'mix and match' a partir de duas saias e dois mantos, produzindo-se looks aparentemente caros e elegantes a preços bastante amigáveis.

Para esta personagem, foram criados ainda trajes compostos por calças, corpete e casaco, de forma a conferir-lhe o ar dominante que a caracteriza ao longo de todo o filme.

O percurso de Lady Sarah é precisamente o inverso da personagem de Emma Stone e, portanto, a evolução dos trajes, penteados e maquilhagem é também oposta, indo do mais elaborado ao mais simples ao longo do filme.

QUEEN ANNE (OLIVIA COLMAN)

Ao contrário do que seria de esperar por se tratar da rainha, o guarda-roupa que Olivia Colman usou é talvez o mais simples das três personagens femininas.

Tratando-se de alguém cronicamente doente, em sofrimento físico e psicológico, durante grande parte do filme, Powell fez com que a roupa fosse um reflexo dessa característica. Em declarações ao Fashionista a responsável pelo guarda-roupa diz "como se veste alguém que está deprimido? Não se veste", e, por isso a rainha usa apenas camisas de dormir e roupões durante grande parte do filme.

A maquilhagem reflete também as características da personagem, que aparece ora sem maquilhagem, demonstrando a sua ausência de vontade, ora exageradamente pintada, "parecendo um texugo" (segundo as palavras da personagem de Rachel Weisz) demonstrando um lado mais ingénuo de alguém que procura infantil e incompetentemente imitar as belas mulheres da corte.

ROBERT HARLEY, 1º CONDE DE OXFORD (NICHOLAS HOULT)

Nicholas Hoult interpreta o persuasivo Robert Harley

"Os homens são os pavões do filme", diz, entre sorrisos, Powell, resumindo perfeitamente a forma como os homens se deambulam nos seus fatos elegantes, meias até o joelho, mangas compridas de renda, saltos altos, perucas maciças e maquilhagem carregada.

Powell confessa que Nicholas Hoult, que interpreta o persuasivo Robert Harley, foi o que passou, entre todos os atores, mais tempo entre a maquilhagem e o guarda-roupa.

No filme, os personagens masculinos têm as faces brancas devido ao excesso de maquilhagem, com apontamentos vermelhos nas maçãs do rosto. No início, Stacey e a sua equipa criou uma aparência impecável para eles, mas Lanthimos disse “não”.

“Estas pessoas têm de parecer sujas e suadas'", lembra Stacey, que teve de reformular o seu plano. É por isso que as faces dos homens não são uniformemente pintados, aparecendo algumas falhas na maquilhagem e manchas vermelhas nas perucas.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.