"É muito difícil ter um nome na moda. Por isso, quando temos um, temos que aproveitar", garantiu o célebre estilista em maio de 2019, em entrevista à AFP.

Ele afirmou várias vezes que a sua marca valia "1 billião de euros (1,25 bilião de dólares)".

"Há a linha (costura), mas também 800 produtos, e se pedirmos pelo menos um milhão por cada produto, já dá 800 milhões de euros (980 milhões de dólares)", explicou em 2011.

Pierre Cardin foi um dos pioneiros da moda a lançar-se nos nichos do licenciamento desde a década de 1960 (direito concedido por uma marca a um fabricante, ou distribuidor, de colocar o seu nome nos seus produtos em troca de royalties).

Com o passar dos anos, o estilista e homem de negócios construiu um império que expandiu o seu nome ao infinito: camisas, lençóis, água mineral, kits de costura, locais culturais, desenhos, chegando até os produtos do Restaurante Maxim's, do qual era proprietário.

"Espalhei-me por todos os domínios, e o meu nome inundou o mundo inteiro, graças às minhas licenças que garantem uma verdadeira solidez à empresa", disse.

Em maio de 2019, reuniu 350 "licenciados" no seu famoso Palais de Bulles, perto de Cannes, uma residência futurística e cheia de curvas, e apresentou uma nova coleção de 150 modelos para eles.

A vida e carreira de Pierre Cardin em datas
A vida e carreira de Pierre Cardin em datas
Ver artigo

"China, Argentina, Brasil, México, Austrália e Coreia: os licenciados vieram de todo mundo, porque estamos em toda parte. Pode parecer estranho, mas conheço todos", declarou à AFP alguns dias antes.

Caso de estudo

Precursor da globalização, Cardin apostou muito cedo na Ásia para desenvolver os seus licenciamentos: pôs os pés na China em 1978, tornando-se um dos primeiros investidores estrangeiros a estabelecer-se neste mercado, e também o primeiro estilista ocidental a desfilar em Pequim em 1979.

Em 2009, a marca vendeu uma parte do seu império à China (30 licenciamentos têxteis e acessórios) a parceiros locais por 200 milhões de euros (245 milhões de dólares).

"A ubiquidade matou o interesse pela marca. Com esta multiplicação infinita de licenças, o valor da qualidade foi afetado. Era possível encontrar Cardin em qualquer produto e em qualquer lugar do mundo", resume Eric Briones, cofundador da escola de moda Paris School of Luxury, à AFP.

Briones refere-se a "uma dimensão esquizofrénica: o criador Cardin fora vanguardista e modernista e, no mundo das licenças, o estilo era burguês, tranquilizador, longe das suas experiências de alta costura".

Pierre Cardin e o seu amor desmedido pelos licenciamentos
Pierre Cardin e o seu amor desmedido pelos licenciamentos
Ver artigo

O seu modelo de licenciamento levado ao extremo tornou-se num estudo de caso nas escolas de Marketing, sob o neologismo da "cardinização".

Em 2018, a fortuna de Pierre Cardin foi avaliada em 600 milhões de euros (US$ 735 milhões), de acordo com o ranking anual da revista Forbes.

"Sempre fui independente, sempre fui dono da minha marca. Era livre. Os outros eram Arnault, Pinault. Sou 'self made' desde o início", destacou em 2019.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.