Durante a era de Deborah Lloyd, estilista que fez a estreia da marca no prêt-à-porter em 2009, a maison já mostrava um gosto pela fantasia, mas contida e com um fundo de formalidade.

Nicola Glass entrou para marca em 2017 para substituir Deborah Lloyd, e subiu o tom nesta coleção, revisitando o espírito de orgiem da marca, fundada em 1993 pela estilista Kate Spade, que cometeu suicídio em junho de 2018.

Kate "incentivava as mulheres a divertirem-se com a moda, a expressarem-se para criar a sua própria identidade", disse Nicola Glass em entrevista à revista Harper's Bazaar, publicada no final de janeiro.

Nesta sexta-feira, a sua segunda coleção apresentada na Semana de Moda de Nova Iorque trouxe um arco-íris para a passarelle, montada no hall do edifício Cunard, em Manhattan, com convidados como a atriz Maggie Gyllenhaal.

Lilás, amarelo mostarda, rosa velho e verde-pinho foram algumas das apostas da marca para a temporada outono/inverno, e a estilista não teve dúvidas em se atrever nas misturas em saias e camisas de manga comprida.

Nicola Glass também joga com os padrões, a sua grande especialidade, manifestando uma preferência pelo 'animal print', que aparece em camisas, vestidos e casacos.

"Quando entras numa loja, tens de poder identificar uma marca ao longe pelos seus padrões e pelas suas cores", disse a estilista ao site Daily Front Row.

Após abandonar a formalidade, a marca aposta no aumento da estrutura e do estilo, especialmente na escolha de vestidos e saias de cintura subida e destaque para os bolsos, peças que remetem à origem da marca e que forjaram a reputação de Kate Spade.

Não é a primeira vez que Nicola Glass interpreta clássicos e joga com este famoso símbolo da marca, mas a coleção vai mais longe, criando bolsos em vestidos onde os padrões têm o poder.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.