A argiloterapia baseada em tratamentos estéticos e medicinais com argila promete regenerar, cicatrizar e tratar a pele. Este produto natural é usado desde o inicio da humanidade e é considerado um dos três medicamentos mais antigos, juntamente com a água e as plantas. Os seus benefícios já eram conhecidos pelos egípcios e pelos gregos que a usavam na mumificação e aquecida para o combate das dores nas articulações, respetivamente.

A argila provém da degradação de rochas em minerais minúsculos e, por ser natural e raramente ter adições de outros produtos pode ser usada  até nas peles mais sensíveis. De forma genérica, esta substância é composta por silício, alumínio, ferro, titânio, cálcio, sódio, potássio, manganês e por vezes até magnésio, o que explica as suas propriedades cicatrizantes e anti-inflamatórias.

Com diversos usos, desde champôs, terapias e cremes mas é, sem dúvida alguma, nas máscaras faciais e tratamentos corporais que se obtêm melhores resultados e onde é aplicada de forma mais natural e direta.  Depois de um tratamento de argila, tanto no rosto como em qualquer outra parte do corpo,  deve-se lavar a pele com água corrente, sem aplicar quaisquer produtos químicos.

Existem diversos tipos de argilas que se distinguem primeiramente pela sua cor e depois pela sua composição, variando as proporções dos compostos gerais conforme a sua origem.

Argila Verde - ajuda a eliminar a oleosidade da pele o que, consequentemente melhora o acne. É rica em zinco, alumínio, potássio, silício, cálcio e ferro e normalmente é usada como esfoliante natural, o que ajuda na eliminação das impurezas da pele.

Argila Vermelha - recomendada para peles sensíveis caracteriza-se por ser a mais estimulante das argilas, ajudando na renovação celular. É responsável pela ativação da circulação periférica da pele, aumenta a elasticidade tendo efeito lifting. Por estes motivos é considerada anti-idade.

Argila Amarela - com ação tonificante, é indicada para peles maduras e cansadas, ajuda a combater a flacidez e o envelhecimento da pele deixando-a mais elástica.

Argila Preta - considerada a mais nobre das argilas e a razão deve-se ao facto de também ser conhecida como lama vulcânica e por  ter sido gerada através de um processo diferente, tem as propriedades mais desenvolvidas. É bastante usada para desintoxicação cutânea, com uma ação inflamatória e anti-stress. Ao melhorar a circulação sanguínea torna-se um excelente rejuvenescedor.

Argila Branca - usada como revitalizante da pele, este tipo de argila trata peles sensíveis e desidratadas, deixando-as mais macias e relaxadas. Para além de ajudar a clarear a pele, também é um ótimo cicatrizante.

Estes são os cinco tipos de argilas “base”, existindo, porém, outras qualidades mais raras ou degenerações resultantes da mistura das argilas consideradas primárias. A Argila Rosa é exemplo desta última situação, uma mistura entre a argila branca e vermelha, que se distingue por ajudar a iluminar a pele e a eliminar celulite e gordura localizada; qualidades que não são de todo dispensáveis.

A argila deve ser escolhida consoante o seu tipo de pele e os problemas que a costumam atormentar. Antes de aplicar a argila deve certificar-se que a sua pele está limpa e sem maquilhagem. Esta substância pode facilmente ser encontrada em pó que, depois terá de misturar com água para formar a pasta a aplicar ou já em máscaras prontas a utilizar. De qualquer das formas, depois de espalhar esta maravilhosa dádiva da natureza na sua cara ou em qualquer outra parte do corpo que considere relevante, espere pelo menos 15 minutos. Pode aproveitar para ler um bocadinho ou simplesmente relaxar enquanto a máscara seca e, depois retire com água e seque com uma toalha, sem esfregar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.