Também conhecido por fotoesclerose, consiste em aplicar uma luz monocromática (laser) sobre a pele para queimar as veias afectadas.

O sangue absorve a radiação luminosa, provocando, com o seu aquecimento, a lesão da parede da veia, que fica selada.

Através do dano térmico da derme, o laser estimula a produção de duas proteínas encarregues de reparar os tecidos. Produz-se uma reparação mais profunda na derme e a recanalização da veia é menos provável, como acontece na esclerose química.

O laser utilizado é o Neodimio-YAG porque permite aquecer o sangue durante tempo suficiente para queimar a parede da veia. Mas utilizar energias muito elevadas, pode comportar riscos. É recomendada apenas para varizes muito pequenas e o seu preço ronda os 150 euros por sessão.

Inconvenientes

- Dor intensa durante o procedimento provocada pelo uso do laser

- Queimaduras e manchas na pele, que se tentam evitar através de sistemas de arrefecimento, nomeadamente através da aplicação de gel frio, de jactos de ar a 4ºC ou da aplicação de vidro refrigerado em contacto com a pele

-Impossibilidade de tratar veias com mais de 1-2 milímetros de diâmetro

Texto: Madalena Alçada Baptista

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.