O que é, afinal, um beijo? A resposta não é linear. "Um gesto de amor ou de amizade, uma forma de saudação ou um prelúdio das relações sexuais, o beijo tem múltiplos significados e torna a vida mais bonita", afirma a escritora e tradutora Francesca Albini. Em conjunto com Pinnucia Ferrari, desenvolveu um processo de investigação e escreveu o livro "Bacioterapia", publicado originalmente em 2008, um sucesso de vendas nas livrarias do seu país na altura em que foi comercializado.

Esta autêntica enciclopédia do beijo, que vendeu milhares de cópias, leva os leitores a viajar pelas suas origens e vantagens, passando pelos tipos de beijos e pela sua representação no cinema, literatura, música e até na cozinha. "Bacioterapia" é um guia que ensina a conhecer o beijo do ponto de vista científico, emotivo, psicológico e em todas as suas valências afetivas, culturais e sociais. Veja também a galeria de imagens com o significado dos beijos que mais gostamos de dar.

Os beijos pré-históricos

Francesca Albini descreve o beijo como "algo que nasce do contacto dos lábios de uma pessoa com qualquer parte do corpo de outrem". Durante este contacto, "os lábios aspiram ligeiramente ar, criando um típico barulhinho", sublinha a autora. Tudo começou na pré-história, mas o primeiro testemunho escrito sobre este gesto data de 1500 antes da atual era cristã e tem algumas semelhanças com os beijos dos esquimós.

"Parece quase um modo de examinar e avaliar os odores e humores da outra pessoa e estabelecer se estão em sintonia com os nossos", explica a escritora. Mas afinal o beijo é um gesto que se aprende ou é instintivo? "Existem provas para as duas teorias", respondem as duas especialistas.

"A primeira está ligado à intimidade e ao sentimento de segurança que provém, por exemplo, do costume primitivo da mãe passar a comida pré-mastigada aos recém-nascidos, a segunda a uma espécie de exploração química do parceiro", assegura Francesca Albini.

Sinónimo de mais saúde

Que é viciante ninguém duvida, a não ser que nunca na vida tenha sido beijado com desejo, fulgor e intensidade. O beijo pode ser comparado à droga, pois quanto mais se beija, mais se deseja voltar a fazê-lo, com a vantagem de não ter os efeitos negativos daquela. Beijar chega mesmo a ser benéfico para a saúde, assegura.

"Faz acelerar o batimento cardíaco e queimar o dobro das calorias, dá uma sensação de bem-estar única devido ao aumento da produção das endorfinas, as hormonas produzidas pelo cérebro e que são responsáveis pelo sentimento de tranquilidade e paz, tendo assim um efeito antidepressivo e de analgésico natural", confirma a escritora.

"Não existe nada mais bonito do que um idoso receber um beijo de afeto dos seus familiares", exemplifica, dizendo que um beijo pode apagar a solidão. Mas as vantagens continuam. "Beijar aumenta a salivação, logo combate a formação da placa bacteriana, e como envolve um grande número de músculos faciais dá firmeza e luminosidade à pele", afiança.

Doces tentações

As autoras conseguiram individualizar trinta tipologias de beijos, desde o beijo à francesa, passando pelo aspirador e acabando no da face. Apesar de afirmar que todos os tipos são interessantes porque revelam muito da personalidade de cada indivíduo, a tradutora é adepta do último. "Como varia de cultura para cultura, no moderno caldeirão cultural em que vivemos hoje, nunca se sabe quantos beijos se deve dar e criam-se situações engraçadas", refere.

"Mas são todos de experimentar", acrescenta. São muitos os provérbios, as citações de filmes, os versos de poemas e de canções em que o beijo é o tema principal. Francesca Albini não hesita em escolher a sua preferida. "O beijo é a nossa maior invenção", do escritor americano Tom Robbins.

Mas há muitas mais para ler no livro, bem como algumas receitas que estão de alguma forma associadas a este gesto de ternura. "Um dos mais famosos chocolates italianos é o Baccio Perugiano, que desde o seu aparecimento se caracteriza pelas suas frases de amor, logo não poderia estar ausente do nosso livro sobre a terapia do beijo", refere.

"E, como um beijo puxa outro, fomos mais longe e incluímos as receitas de outros doces e até de coqueteles", remata sem deixar de desafiar as nossas leitoras a experimentar a terapia do beijo. "Um beijo faz acelerar o batimento cardiaco e queimar o dobro das calorias", revela ainda Francesca Albini. E ativa até 30 músculos faciais e, se esse beijo durar três minutos, queima 15 calorias, apuraram ainda investigações científicas divulgadas ao longo das últimas décadas.

Texto: Rita Caetano

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.