Se até os adultos se cansam de ficar confinados em casa, imagine os mais novos. Uma situação de isolamento com crianças pode ser particularmente difícil de gerir. Além de apreensivas e tristes, algumas ficam ansiosas, assustadas e confusas com a alteração das rotinas diárias, numa altura em que também se veem afastadas dos amigos, dos tios e dos avós. Para além disso, podem fazer mais birras e mostrar-se mais dependentes, irritáveis e até com maior dificuldade em adormecer.

Primeiro que tudo, é importante que se mentalize e que aceite que, ao longo deste período, existirão sempre conflitos e fitas. Fazem parte do processo e, ainda que os minimize, deve contar com eles. Depois, seja compreensivo e paciente perante estes comportamentos. Mostre-lhes apoio, escute as suas preocupações e dê-lhes uma dose extra de atenção e carinho, como aconselham os especialistas da Ordem dos Psicólogos Portugueses e da Organização Mundial da Saúde.

5 estratégias para gerir o isolamento com crianças

Num momento de incerteza e de interrupção forçada da vida escolar das crianças, é importante manter as rotinas e dar a maior normalidade possível ao dia a dia dos mais novos. "Além disso, os pais devem ter em conta que também as crianças podem estar apreensivas e que precisam de mais atenção", alerta também um artigo que reúne algumas das principais recomendações da Ordem dos Psicólogos Portugueses e da Organização Mundial da Saúde a acatar nesta fase.

1. Explique-lhes claramente o que se está a passar

As crianças precisam do amor e da atenção dos adultos em todas as alturas e não apenas nos períodos difíceis mas, nestes, essa necessidade torna-se ainda mais premente. Por isso, dê-lhes mais tempo e atenção e oportunidade para expressarem os seus sentimentos e receios. Fale com carinho, explique-lhes o que se passa com clareza, firmeza e segurança e tranquilize-as, utilizando linguagem apropriada à idade.

Explique-lhes a importância do isolamento social em tempo de pandemia e assegure-lhes que é uma situação temporária. Elogie o bom comportamento dos mais pequenos nesta fase de confinamento e recorde-lhes que, ao permanecerem o mais possível em casa e ao adotarem medidas como a lavagem frequente das mãos, as crianças estão a proteger-se a si próprias e os que as rodeiam.

2. Limite a exposição às notícias

As crianças podem ficar facilmente perturbadas com o que ouvem ou veem na televisão e, ainda para mais, têm a desvantagem de muitas das vezes não saberem interpretar o que veem e o que ouvem. Limite a sua exposição a notícias que as possam perturbar, procurando informá-las em linguagem adequada à sua idade. Apresente-lhes factos sobre o que se passou e explique-lhes qual é a situação atual.

Dê-lhes informação clara e concisa sobre as formas de reduzir o risco de infeção pelo novo coronavírus e a COVID-19, garantindo que a compreendem de uma forma tranquilizadora. Além disso, deve também explicar o que pode acontecer. Por exemplo, se um familiar ou a própria criança se começarem a sentir mal, poderão ter de receber o auxílio dos médicos que os vão ajudar a sentir-se melhor.

3. Procure manter as mesmas rotinas

Mesmo em tempo de reclusão, os mais pequenos precisam de continuar a ter regras e a sentir uma normalidade, ainda que aparente. Tanto quanto possível, procure manter as atividades diárias habituais e os horários, nomeadamente a hora das refeições e de ir dormir. Por outro lado, pode também criar novas rotinas, incluindo momentos de aprendizagem, períodos dedicados às atividades da escola e tempo para brincar e para relaxar.

4. Aposte em atividades lúdicas

Encontre formas de passarem o tempo. Não recorra exclusivamente à televisão e às novas tecnologias. Encare a situação de isolamento como uma oportunidade para passarem mais tempo juntos e para fazerem coisas em conjunto. Aproveitem para se dedicarem a atividades para as quais não costumam ter tempo.

Pode, por exemplo, recorrer a jogos de tabuleiro, a trabalhos manuais, a desenhos ou à leitura. A ginástica e a jardinagem são outras atividades a considerar para ocupar o tempo. No caso de crianças em idade escolar, peça ao professor que lhe envie por e-mail informação de estudo, exercícios ou outros trabalhos.

5. Envolva as crianças nas atividades domésticas

Estando em casa, aproveite para envolver as crianças nas lides domésticas. Pôr e levantar a mesa, tirar os talheres da máquina de lavar e/ou limpar a bancada de migalhas são coisas simples que os entretêm. Organize o trabalho em equipa. Assegure que, sendo possível, durante o dia, os cuidadores, à vez, têm algum tempo para si próprios. Havendo mais do que uma criança em casa, também deve existir espaço para realizarem atividades em separado com cada uma delas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.