Com o início de mais um ano letivo, a DISLEX (Associação Portuguesa de Dislexia) alerta para a persistente falta de acompanhamento dos alunos disléxicos, nas escolas portuguesas. A chamada de atenção surge no âmbito do dia Mundial da Dislexia, que se assinala hoje, dia 10 de outubro.

Em Portugal, esta condição neurológica afeta 48% dos alunos com necessidades educativas. Neste aspeto, a formação dos professores é um fator essencial para garantir uma prevenção adequada da dislexia e para proceder a uma diferenciação em contexto de sala de aula.

“Na fase pré-escolar, importa alertar os educadores para a necessidade de se desenvolverem algumas competências facilitadoras do processo de iniciação à leitura e à escrita, nas crianças que vão iniciar a escolaridade”, reforça a Presidente da DISLEX, a Doutora Helena Serra.

No âmbito de aplicação do Decreto Lei 54/2018, “estes alunos devem beneficiar de medidas universais e também seletivas. Há casos de dislexia (moderada e severa) a que devem ser aplicadas não apenas medidas universais, mas também medidas seletivas, devendo incluir-se nestas os apoios especializados para serem desenvolvidas as áreas que estão na base das dificuldades na leitura e na escrita” afirma e acrescenta: “No entanto, isso ainda não se está a verificar".

Porquê um apoio especializado?

Porque os alunos com dislexia precisam de beneficiar de treino de competências específicas, focado nas áreas causais e instrumentais. Também necessitam de apoios regulares, esses focados nos conteúdos curriculares em que tenham mais dificuldades”, esclarece.

Por outro lado, “há indicadores precoces a ter em conta para que a identificação seja feita atempadamente, devendo a esta seguir-se a avaliação psicopedagógica e compreensiva do aluno, que permita identificar as medidas a implementar caso a caso.

Beneficiar de adaptações no processo de avaliação, é a medida mais generalizada no nosso país, mas isso não é o bastante, temos de passar a intervir específica e diferenciadamente com estes alunos e de forma atempada”, conclui Helena Serra.

Sobre a dislexia

A Dislexia é uma perturbação específica de aprendizagem, com origem neurológica, caracterizada por dificuldades no reconhecimento adequado das palavras, por um discurso pobre e dificuldades de descodificação, resultantes de um défice na componente fonológica da linguagem.

Ainda que esteja relacionada com a aprendizagem da leitura, a dislexia pode ter consequências noutras áreas académicas e a nível emocional e comportamental.

A dislexia afeta 600 milhões em todo o mundo e é mais comum do que se julga, afetando caras mundialmente conhecidas que se destacaram na comunidade e que evidenciam o lado positivo da patologia, nomeadamente Einstein, Picasso, Da Vinci, Agatha Christie, Van Gogh, Churchill e Spielberg.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.