A pediculose é uma doença de pele, provocada pelos piolhos, pequenos parasitas que se alimentam do sangue do hospedeiro, provocando desta forma comichão e irritação no couro cabeludo.

O piolho reproduz-se muito rapidamente, colocando os seus ovos – lêndeas – no couro cabeludo do hospedeiro. Por isso, é fundamental tratar do problema logo que seja detetado.

Esta é uma doença bastante comum, que atinge todas as pessoas, com maior incidência em crianças em idade escolar. Ao contrário do que se pensa, a pediculose não está relacionada com falta de higiene.

Nos últimos 5 a 10 anos, a infestação por piolhos têm aumentado em muitas regiões do mundo, porque os piolhos têm desenvolvido resistência genética aos pesticidas encontrados nos produtos tradicionais e aos medicamentos com ou sem prescrição.

Deteção e diagnóstico:
Como os piolhos e seus ovos são muito pequenos e difíceis de ver, uma infestação também é difícil de detetar e diagnosticar, até mesmo para muitos profissionais de saúde.

No momento da deteção, uma infestação média inclui muitas vezes 10 a 15 piolhos incubados e 20 a 30 lêndeas eclodidos.
Os piolhos e as suas lêndeas encontram-se quase exclusivamente no cabelo e couro cabeludo. Muitas vezes estes estão ao redor e atrás das orelhas e perto do pescoço, na parte de trás da cabeça. Muito raramente os piolhos e as lêndeas são encontrados nas pestanas ou sobrancelhas.

O uso de um pente de dentes finos ajuda a um diagnóstico mais preciso dos piolhos. As lêndeas encontram-se geralmente a cerca de 6 mm da raiz do cabelo. Se não vir piolhos vivos e as lêndeas estiverem a mais de 6 mm do couro cabeludo, provavelmente a infestação é antiga e não está ativa.

Quais são os sintomas?
• Sensação de picos e agulhas ou algo que se move no cabelo;
• Comichão excessiva geralmente causada por uma reação alérgica às picadas dos piolhos;
• Irritabilidade e dificuldade em dormir, pois eles são mais ativos no escuro;
• Ferimentos na cabeça devido à comichão, que podem infectar caso a situação não seja tratada a tempo.

Em Portugal já existe um tratamento sem químicos dedicado a pôr fim á praga que são os piolhos. É utilizada uma tecnologia norte-americana, AirAllé®, que é um dispositivo médico certificado e aprovado pela FDA nos Estados Unidos, com ensaios clínicos controlados, tendo também recebido a marca CE na Europa. O AirAllé® permite a eliminação dos piolhos e lêndeas num único tratamento composto por 3 passos, sem recorrer a produtos químicos.

O dispositivo AirAllé® aplica cuidadosamente ar aquecido diretamente no cabelo seco, que deve estar desembaraçado e livre de produtos para tratamento de cabelo.

O tratamento não queima o couro cabeludo, pois o ar tem uma temperatura mais baixa do que a maioria dos secadores de cabelo, sendo o fluxo de ar muito maior. O dispositivo também tem uma ponta especial de aplicação, descartável, que permite levantar o cabelo ligeiramente para que o fluxo de ar atinja diretamente os piolhos e as lêndeas, cobrindo de uma forma eficaz todas as áreas da cabeça.

Com a duração total aproximada de 2h00, o tratamento divide-se em três fases:
01. Desidratação
Após ser efetuado o diagnóstico, é aplicado ar quente a grande velocidade, com uma temperatura inferior à dos secadores de cabelo normais. Esta combinação de ar quente e fluxo de ar vai permitir desidratar os piolhos e lêndeas de uma forma eficaz, sem recorrer a produtos químicos.

02. Aspiração
Depois da desidratação, os piolhos e lêndeas serão retirados do couro cabeludo através de um eficaz sistema de aspiração.

03. Verificação
Com a ajuda de uma lupa de alta precisão e um pente profissional, é realizada uma minuciosa verificação ao cabelo, para garantir que o problema ficou resolvido.

A partir de agora, não deixe que esta praga provoque qualquer comichão aos seus filhos, pois já há solução!

Texto: Tiago Westenfeld da Clínica do Piolho

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.