As alergias são hereditárias? 

Pode ser-se alérgico e não haver outros casos na família. O risco de uma criança se tornar alérgica é de 15 a 20%. Se a mãe for alérgica o risco sobe para 60% e se o pai e a mãe forem alérgicos e tiverem a mesma patologia o risco já sobe para 80%. Por exemplo, se o pai e a mãe tiverem asma brônquica alérgica a possibilidade de o filho vir a contrair a doença é de 80%, mas não é obrigatório que assim seja. Num prato da balança temos a genética e no outro prato o ambiente que pode equilibrar ou desequilibrar o prato.

É fácil perceber que um bebé está a ter uma reação alérgica? 

É relativamente fácil. Se o bebé entra numa casa com um gato e fica cheio de comichões no nariz e olhos, borbulhas na cara ou nas mãos, ninguém terá dúvidas. Na alimentação, se se ingere uma comida e pouco depois se fica cheio de comichão, vermelho e por vezes com baba também será fácil diagnosticar uma urticária. Com medicamentos a reação pode aparecer só alguns dias depois.

Se os pais são alérgicos aos ácaros, o nascimento deveria ser planeado para acontecer fora dos meses em que os ácaros se reproduzem

Em que situações é que os pais devem procurar ajuda médica?

O ideal é que os pais possam contactar o seu médico. A ida ao serviço de urgência deve ficar para situações de maior gravidade. No entanto, em situações de asma ou de urticária que não consigam controlar em casa deve-se procurar um serviço de urgência.

Há alguma época do ano mais propensa a alergias no bebé?

No bébé não há épocas preponderantes de alergia. Não viveram primaveras suficientes para serem alérgicos aos pólenes. No inverno as crianças estão mais sujeitas a infeções virais que podem ser o mecanismo de gatilho para desencadear uma reação alérgica. É o caso das bronquiolites. O outono e o inverno são também a época dos ácaros se reproduzirem e de desencadearem ou agravarem alergias respiratórias, nomeadamente rinite e asma brônquica em crianças.

O que provoca mais alergias nas crianças e bebés?

Nos dois primeiros anos de vida predominam as alergias aos alimentos, como leite, ovo, sobretudo a clara, peixe, frutos secos e marisco.

As alergias podem durar para sempre?

As alergias alimentares desaparecem na maior parte dos casos, como acontece com a proteína do leite de vaca. No entanto há casos em que permanecem. As alergias aos pólenes e ácaros habitualmente não desaparecem, mas controlam-se com a medicação.

A partir de que idade é que se podem fazer os testes das alergias?

A partir de qualquer idade.

É possível prevenir as alergias nas crianças e bebés?

O fator genético não se pode prevenir, mas o mês em que a criança nasce pode ter alguma influência. Assim, se os pais são alérgicos aos ácaros, o nascimento deveria ser planeado para acontecer fora dos meses em que os ácaros se reproduzem, ou seja no verão. O mesmo para os pais alérgicos aos pólenes: os filhos não deverão nascer na primavera.

Os animais domésticos se entram em casa aos 9 ou 10 anos podem ser um agente agressor provocando alergias

Muito importante: o fumo do tabaco é um fator desencadeante e agravante de alergias. Mães fumadoras tem filhos com alergias mais precocemente e mais graves do que as não fumadoras. O quarto em que a criança dorme deve ser o mais simples possível, sem tapetes grossos, sem cortinado e sem muitos brinquedos e livros que vão acumular o pó e mais tarde sensibilizarem as crianças.

É possível potenciar o sistema imunitário dos bebés no combate das alergias?

Nesse campo fala-se muito na microbiota intestinal, ou seja, os micróbios que vão colonizar o intestino do recém nascido. Uma criança que nasce por via vaginal vai contagiar-se logo com a flora da mãe e vai ter tendência a ter uma flora que o protege mais. Por outro lado, os antibióticos podem alterar essa flora biológica. Os probióticos e prebióticos podem ajudar imunologicamente no bom sentido.

E em relação aos animais domésticos. Estes podem diminuir ou agravar as alergias?

Os animais domésticos se entram em casa aos 9 ou 10 anos podem ser um agente agressor provocando alergias. Mas se estão em casa desde os primeiros meses de vida, o organismo tolera-os e defende-se, não produzindo alergias aos pelos desses animais tão frequentemente.

As explicações são da médica Natália Ferreira, alergologista pediátrica no Hospital Lusíadas de Lisboa.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.