"Sempre soube o que queria para a minha vida", esta foi uma das frases que marcou o início da entrevista de Manuel Luís Goucha a Fátima Lopes, aquela que viria a ser 'A' conversa mais reveladora sobre a vida do apresentador. Tomou lugar este sábado, no programa 'Conta-me Como És', naquela que é a sua casa há 14 anos, a TVI.

A estrela televisiva falou das várias etapas da sua carreira, partindo de onde tudo começou: na infância. "A minha brincadeira durante anos era falar para o televisor como se fosse uma câmara. Eram tardes inteiras. Quando começo a fazer o programa na RTP, havia momentos em que me sentia a pairar de felicidade. Há um dia que percebo: 'Esta é a tua brincadeira de sempre, mas agora com pessoas a sério'", contou.

"Sempre soube que seria apresentador de televisão. Aliás, o meu sonho era mais grave. Quando me perguntavam o que queria ser, respondia que queria ser conhecido. Havia uma necessidade qualquer de afirmação", acrescentou.

O percurso ficou marcado por grandes batalhas. Manuel Luís falou abertamente das dificuldades que passou, designadamente a nível financeiro. "Vivi em quartos, nunca dei parte fraca. Uma vez, a minha mãe disse-me que quando jantava com o meu irmão pensava: ‘Estamos aqui a comer e como será que ele está’. E eu estava a comer um cacho de uvas", relatou.

Fez frente às dificuldades, enfrentou os insucessos, isolou-se do mundo... Tudo com um objetivo: "Ser um grande profissional de televisão". "Foquei-me na vida profissional. Descurei muita coisa na minha vida, o lado social, dos amigos. Não lamento porque foi uma opção de vida, eu quis ser um grande apresentador de televisão. Foi esse o meu objetivo desde os oito anos de vida", afirmou.

Quando já se fazia como uma figura ilustre, viveu o período mais negro da sua vida. O programa 'Momentos de Glória', da TVI, em 1993, fica na memória do apresentador como o ponto de viragem.

"O programa era megalómano. Mas temos de ser humanos, há uma idade para se fazer as coisas. Aquele programa veio no tempo errado na minha vida. É um exemplo de ambição desmedida da minha parte. Não soube dizer que não era capaz. Isto foi complicado, tinha acabado uma relação de 11 anos. Foi aqui que tive a minha depressão. Fiquei com tantas ferramentas de tal maneira poderosas que em 25 anos nunca mais me senti em depressão. Tive de começar do zero e começar do zero era voltar para as manhãs da RTP. Foi importante este projeto ter dado errado. Passei por todas aquelas fases: O deslumbramento, a fama… Foi aqui que percebi que a fama não pode ser o objetivo", contou.

Porém, a vida encarregou-se de o trazer de volta à estação de Queluz, onde permanece até à atualidade. Manuel Luís confessa que "foi nos últimos 14 anos que se formou" enquanto homem e profissional. O programa 'Você na TV', que apresentou ao lado de Cristina Ferreira até este verão, veio a apresentar ao público a sua versão mais aprimorada.

"Fomos 'A' dupla, potenciámos o melhor que temos. A Cristina teve o mérito de me desconstruir", afirmou.

Mas o casamento acabou por chegar ao fim, assim que Cristina tomou a decisão - em agosto deste ano - de mudar-se para a estação concorrente. A partir de janeiro, a antiga dupla inseparável trabalhará num frente a frente. No lugar da apresentadora, estará Maria Cerqueira Gomes e Manuel Luís não esconde a felicidade que sente com esta nova fase.

“Soube no dia em que a TVI soube [da saída de Cristina]. Fiquei o fim de semana em estado catatónico. Mas depois temos de ir à luta, enfrentar a concorrência que passa a ser de qualidade, isso é que é estimulante. Agora tenho é de receber de braços abertos a Maria [Cerqueira Gomes]. Sei que vou gostar muito, é quase como uma lufada de ar fresco na minha vida. Esta saída faz com que as coisas andem", rematou.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.