A fadista Maria João Quadros morreu sexta-feira aos 73 anos, deixando amigos e artistas consternados, pois "com ela acaba o fado a sério", como disse à Lusa o escritor e letrista Tiago Torres da Silva.

Maria João Quadros estava hospitalizada no seguimento de uma doença prolongada.

Para Tiago Torres da Silva, que concebeu o disco Fado Mulato em que Maria João Quadros interpreta o fado, mas também composições brasileiras, a artista era "a última que levava o fado a sério".

"O fado acaba com ela, muito lamentavelmente", disse hoje à Lusa, afirmando esperar que o mundo artístico sinta a dimensão desta perda.

Tiago Torres da Silva afirma que Maria João Quadros foi a artista para quem mais escreveu e não lhe poupa epítetos: "A mais generosa, a mais artista, a mais amiga, a mais atenta aos outros, a mais louca, a mais livre".

Nascida em Moçambique em 1950, Maria João Quadros tem vários discos editados e realizou inúmeros espetáculos, nomeadamente na sua casa de fados em Lisboa, a Casa da Mariquinhas.

Leia Também: Morreu o ator Ryan O’Neal. Tinha 82 anos

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.