Ser condómino implica um conjunto de direitos e deveres, dos quais depende a funcionalidade, a organização e o bom ambiente entre os vizinhos. As regras de boa convivência promovem a harmonia entre os condóminos e ajudam a evitar conflitos.

A Loja do Condomínio recorda, assim, que o conhecimento e o cumprimento dos direitos e dos deveres do condómino devem ser exercidos com base no bom senso, na vontade coletiva e num diálogo construtivo.

Até porque, depois de adquirir a sua habitação, o condómino usufrui de dois direitos: o direito de propriedade sobre a sua fração autónoma e o direito e compropriedade sobre as partes comuns do edifício.

No entanto, são impostas algumas limitações a estes direitos e, dentro do seu imóvel, os condóminos não podem:

- Prejudicar, quer através de obras novas, quer por falta de reparação, a segurança, a linha arquitetónica ou a estética do edifício.

- Utilizar a fração para fins ofensivos dos bons costumes.

- Utilizar o imóvel para um fim diferente ao que está destinado.

- Praticar atos ou atividades que tenham sido proibidas no título constitutivo da propriedade horizontal, ou posteriormente por deliberação da assembleia.

Por outro lado, os condóminos devem ter em conta os seguintes deveres:

1. Participar, atempadamente, com a sua quota-parte para as despesas do condomínio.

2. Marcar presença nas assembleias de condomínio e, caso tenha algum impedimento, fazer-se representar por um procurador.

3. Informar o administrador, com antecedência, caso pretenda fazer obras, para que este convoque a respetiva assembleia (se for necessária a autorização do condomínio), ou informe os condóminos sobre as obras que pretende realizar na sua fração.

4. Juntar ou separar frações autónomas implica o dever de, por ato unilateral, o condómino introduzir a respetiva alteração no título constitutivo da propriedade horizontal e comunicá-la ao administrador no prazo de 10 dias.

5. Tomar as diligências necessárias para proceder à realização de obras urgentes e indispensáveis nas partes comuns do edifício, na falta ou no impedimento do administrador, de modo a evitar danos eminentes e que coloquem em risco pessoas ou bens.

6. Cumprir o regulamento interno do condomínio e respeitar os direitos dos vizinhos, nomeadamente o direito ao descanso e sossego.

7. Manter as partes comuns do edifício, como escadas, patamares e outras vias de comunicação livres e desimpedidas (é proibido aos condóminos a colocação de pertences nas partes comuns, por força das regras de segurança contra incêndio).

8. Contratar e manter em vigor o seguro contra o risco de incêndio para a sua fração e fazer prova da existência desse seguro ao administrador do condomínio.

9. O condómino não residente deve comunicar, por escrito, ao administrador o seu domicílio ou o do seu representante.
Participar, fiscalizar e acompanhar a atividade desenvolvida pelo administrador do condomínio.

Mas claro que aos condóminos também assistem os direitos, como:

- Ser convocado para as assembleias do condomínio.

- Impugnar as deliberações da assembleia contrárias à lei ou a regulamentos anteriormente aprovados.

- Direito à informação sobre os assuntos do condomínio.

- Direito ao respeito dos seus direitos de personalidade, como, por exemplo, o direito ao silêncio, à segurança, à imagem e ao bom nome.

Todos estes deveres e direitos vão ajudar os condóminos na convivência com os seus vizinhos e no evitar divergências desnecessárias, tornando o condomínio um lugar aprazível para viver!

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.