Conhecerá seguramente a expressão “Era de Aquário”, usada por algumas correntes espirituais para designar uma alteração de paradigmas no mundo moderno. Mas já se questionou se de facto todas estas “teorias” têm algum fundamento lógico, quando efetivamente se manifestam e o que significam?

Permita-me esclarecer algumas destas questões para que possa celebrar com mais confiança e alegria esta grande revolução da Terra que começamos a viver:

1 – Segundo a Astrologia Ocidental, estamos a entrar numa nova Era?

E a resposta é SIM.

Concretamente, estamos a entrar numa nova Era de cerca de 2150 anos devido ao ingresso da maior estrela real do Zodíaco Sideral – Régulus, o Coração do Leão – no sexto sector do Zodíaco Tropical, associado ao signo de Virgem.

Não há consenso científico sobre o cálculo do dia exacto deste ingresso – mas unanimemente considera-se que a transição se dá entre os anos 2011 e 2012.

Veja na próxima página a continuação do artigo.

2 – Quão importante é esse fato e o que significa?

Do ponto de vista da Astrologia Ocidental, esse fato é de extrema importância porque a Estrela Régulus é a mais importante das 4 estrelas reais da Pérsia (associadas às grandes mudanças civilizacionais); a mais brilhante e a mais alinhada com a trajetória do Sol. Ela rege os sistemas reais, o poder e a liderança.

Ao entrar em Virgem, simbolicamente, todos os sistemas de poder “leoninos” - onipotentes, autocráticos e de ostentação – são desafiados a ganhar humildade, organização, e verdadeiro sentido de serviço público.

O poder deve ser usado doravante em prol da comunidade, de forma competente, e não em benefício de interesses pessoais.

3 – Que evidências temos dessa mudança atualmente?

São bastantes óbvias, se refletir um pouco.

No plano internacional, a queda de várias ditaduras do norte de África e Médio Oriente – incluindo o Egito, Tunísia, Líbia, entre outros países. Igualmente, as crises da dívida nos países europeus – como Portugal - que agora são obrigados a prestar contas e reestruturar o estilo de governação.

Em geral, todas as pessoas em todos os cargos e estatutos sociais serão desafiados a conduzir a sua vida de forma mais ecológica, trabalhadora e humilde – em vez de gastarem o dinheiro que não têm ou que não conquistaram legitimamente.

Desde o máximo governante ao funcionário preguiçoso – todos serão desafiados a aprender e a trabalhar melhor. O Ego de cada um deverá dar lugar à busca de um verdadeiro sentido de utilidade e serviço perante os outros.

Portanto, dificilmente dirigentes como Alberto João Jardim e Berlusconi ou regimes totalitários poderão continuar no poder neste novo ciclo.

Veja na próxima página a continuação do artigo..

4 – Isto tem alguma coisa a ver com a Era de Aquário?

Tudo a ver!

A estrela Régulus pode considerar-se como a principal referência simbólica para se dividir o Zodíaco Sideral – o das Constelações desiguais e, por vezes, sobrepostas – em 12 segmentos iguais. O que quer dizer que se Régulus (o início do Leão) muda de signo, por simetria, Aquário começa a tocar o eixo dos equinócios.

Em termos práticos, Aquário rege a democracia, a liberdade, as telecomunicações e a ciência. É também um signo de reivindicações e de revoltas. Se reparar, as revoluções recentes no mundo árabe foram potenciadas por esta nova estrutura social “aquariana” que está a mudar o mundo: a Internet e respectivas redes sociais.

5 – Onde entra o calendário Maia neste contexto?

O calendário Maia obedece a um conhecimento profundo dos ciclos planetários que moldam as civilizações, nomeadamente, o movimento de precessão dos equinócios (que dá origem às eras astrológicas) e os ciclos sociais de Júpiter e Saturno.

Não só estamos em transição de uma estrela de grande magnitude (ciclo civilizacional maior), como em mutação para um ciclo político de 200 anos de Terra para Ar, em que os paradigmas financeiros, materialistas e de segurança no emprego devem ser substituídos pela vertente social, cooperativa e de intercâmbio mundial.

Veja na próxima página a continuação do artigo..

6 – Isto quer dizer que vai acabar o mundo?

Vai acabar um mundo que conhecíamos, o que é evidente. Como também é claro que já está a nascer um novo mundo, como se constata pelo efeito globalização em que uma rede tecnológica quase gratuita – a web – permite pôr em contato comunidades do mundo inteiro, abrindo espaço para a manifestação da individualidade num campo transnacional.

Os Maias não diziam que ia haver um “apocalipse”. Apenas que se concluía a 4ª Era da Humanidade – e mesmo este fato não é assim tão consensual.

Se interpretarmos o ‘4’ como vibração de matéria, estrutura e lentidão poderemos deduzir que se está a concluir um ciclo maia de 5 125 anos associados à forma (casa, dinheiro, segurança) e que o 5º ciclo ressoará com um novo arquétipo: de tolerância, liberdade, aprendizagem e consciência.

7 – Como viver nestes novos tempos?

Quanto mais estivermos presos ao nosso “quadrado” de conforto, seja emprego, dinheiro, preconceitos, rotinas ou raízes, e numa filosofia de pouca utilidade prática do nosso trabalho ou de pouca interação social e internacional, mais poderemos sofrer.

Pelo contrário, quanto mais estivermos ao serviço da comunidade, de forma inteligente, voluntária e móvel, dinamizando as redes de contatos, assimilando e divulgando novos conhecimentos – através de livros, tecnologias de informação, encontros sociais, cursos e cultura – mais estaremos envolvidos neste espírito de mudança.

Em geral, é nos pedido também que tenhamos humildade, competência, respeito e verdadeiro diálogo com o próximo – no qual se incluem também a natureza, o ambiente e o planeta.

E você, está preparado para este novo ciclo, de modo a ser um círculo em vez de um quadrado?

Um abraço!

João Medeiros

João Medeiros nasceu em 1975. Teve uma formação de base matemática, licenciando-se em Economia pela Universidade Nova de Lisboa em 1998, com distinção. Foi bolseiro Erasmus na Suécia e em França.

Trabalhou de 1999 a 2003 no Instituto Nacional de Estatística, na área de rendimentos familiares e inclusão social. Paralelamente ao seu trabalho em investigação socio-económica dedicou-se ao estudo da Astrologia, Psicologia e Esoterismo durante vários anos.

Em 2003, após ter complementado os seus estudos na Academia de Estudos Astrológicos, dedicou-se a tempo inteiro à atividade astrológica, abrangendo a consultoria profissional e formação, tendo criado o seu curso de Astrologia e variadas oficinas temáticas.

Os seus estudos englobam em profundidade diversos ramos e abordagens desta disciplina, em particular, as Astrologias Psicológica, Medieval, Esotérica, Horária e Mundana. Em 2004, publicou o livro 'Oceano Ascendente - Ciclos Astrológicos de Portugal' (Editora Pergaminho), um trabalho inovador e multidisciplinar.

Em 2006, começou a lecionar Astrologia numa Universidade portuguesa - o Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa (I.S.C.T.E) - com o seu curso independente. Em 2007 criou o CEIA, Centro de Estudos e Inovação em Astrologia. Em 2008, formou-se em Constelações Organizacionais. É formador certificado pelo IEFP.

Para além da Astrologia é praticante intensivo de Yoga, terapêuta certificado de Leitura de Alma, criador de um Tarot, terapêuta de Reiki, e praticante de Surf.

Atualmente a sua investigação principal centra-se na abordagem simbólica, astrológica e psicológica do ciclo de vida do ser humano, seguindo a linhagem de pensamento holístico do astro-filósofo Dane Rudhyar, sua principal referência nesta área.

O CEIA

O CEIA - Centro de Estudos e Inovação em Astrologia foi criado por João Medeiros, astrólogo português, em 21 de Março de 2007, no seguimento do seu trabalho nesta área privilegiada do conhecimento humano.

O CEIA pretende ser uma referência de qualidade nacional e internacional no que respeita às suas diversas atividades e serviços que abrangem a consultoria, investigação e educação em Astrologia.

- a divulgação é realizada através de artigos, seminários, eventos, palestras e livros com abordagens práticas, completas e inovadoras;

- a consultoria é dirigida a indivíduos de todos os quadrantes socio-culturais e também a organizações profissionais, como as empresas;

- a investigação segue uma orientação multidisciplinar e objetiva, integrando diversas áreas humanísticas e científicas;

- a educação compreende a Formação Dinâmica em Astrologia (Níveis 1 a 9) e oficinas independentes de integração pessoal.

O CEIA pretende participar ativamente na reinterpretação da linguagem astrológica, validada por estudos de qualidade e envolvida numa profunda filosofia holística. Segue a linha ideológica de Dane Rudhyar (1895-1985), mentor da Astrologia Humanística e Psicológica.

O objetivo último do CEIA é o de contribuir para uma sociedade mais evoluída, saudável, inteligente, e que esteja integrada num conhecimento que potencie a criatividade plena de todos os agentes individuais e coletivos.

CONTACTOS:

CEIA - Centro de Estudos e Inovação em Astrologia
e-mail: ceia.agenda@gmail.com
tel: 93 4519934

Coordenação de Conteúdos:
Heloisa Miranda
email: sapozen@sapo.pt
Veja o programa SAPO Zen: zen.sapo.pt

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.