O primeiro ano de cada nova década define, muitas vezes, a tónica dominante para os anos que se lhe seguem. Assim, aquilo que acontece em 2020 terá consequências e repercussões que continuarão a ser sentidas nos próximos dez anos.

Astrologicamente este ano é marcado por acontecimentos raros. O primeiro dele ocorre logo no dia 12 de janeiro. Plutão, o planeta que despoleta as grandes transformações, forma uma conjunção com Saturno, o planeta do karma, do tempo, dos processos lentos. Para quem não sabe, a conjunção ocorre sempre que dois (ou mais) corpos celestes se encontram literalmente no mesmo grau, embora seja também considerada uma conjunção quando se aproximam até 10 graus.

Neste caso, no dia 12 tanto Saturno como Plutão estarão posicionados no grau 22 do signo Capricórnio, do qual Saturno é regente. Estes dois planetas já têm vindo a aproximar-se e, portanto, os efeitos desta conjunção começaram a ser sentidos logo desde 2018, intensificando-se em 2019 e atingindo o seu pico máximo no dia em questão.

Saturno e Plutão encontram-se aproximadamente a cada 35-38 anos. A última conjunção entre estes dois grandes planetas ocorreu em 1983. O facto de se encontrarem em Capricórnio não voltará a ser presenciado por nenhum de nós, e traz uma energia intensa e poderosa, que estará em ação não só ao longo de todo o ano mas também de toda a década. Estes dois planetas formarão, aliás, vários aspetos ao longo do ano, sendo que Júpiter irá também juntar-se a eles nesta dança cósmica.

Afinal o que significa esta grande conjunção? Em termos muito genéricos, ela traz destruição e a necessidade de reconstruir. Não se assuste, porém, pois a sua vida não ficará de pernas para o ar de um momento para o outro. Ambos são planetas de trânsito muito lento, o que significa que as mudanças se operam de uma forma muito subtil, às vezes quase imperceptível, tal como a água do mar que a todo o instante desgasta a rocha, operando uma profunda transformação que só é notada com o passar do tempo.

Estes planetas são considerados de trânsito lento porque, como se encontram mais distantes do Sol, são aqueles que descrevem uma órbita maior e, por isso, levam mais tempo a percorrê-la.

Uma vez que esta conjunção ocorre em Capricórnio, prevêem-se profundas mudanças na economia, no governo, na sociedade e em todos os aspetos da nossa vida que são governados por este signo: as finanças, o trabalho, o estatuto, a carreira. Este aspeto pode, também, intensificar as lutas pelo poder, levando a uma mudança na forma como ele é gerido na sociedade. Uma vez que Júpiter terá também uma forte influência neste ano, este ajudará na criação de uma nova mentalidade, uma nova forma de pensar sobre os assuntos que servem de base à nossa maneira de viver.

Ainda que esta influência seja sentida de forma mais global, também nas nossas vidas privadas teremos necessidade de efetuar uma reconstrução nas áreas que não estão em sintonia com aquilo que ambicionamos nem com o que somos. 

Uma vez que Saturno, Plutão e Júpiter passam grande parte deste ano em Capricórnio, a energia deste signo estará particularmente acentuada, reforçando a ideia de que é preciso manter os pés bem assentes em terra firme e construir algo que seja razoável, possível de alcançar. Se Júpiter em Sagitário nos levou, em 2019, a apontar a seta bem para o alto, agora que está em Capricórnio vai direcionar-nos para alvos mais fáceis de alcançar. Quando se encontra em Capricórnio, Júpiter (que estava mais confortável em Sagitário, o signo de que é regente) dá-nos maior apoio, motivando-nos a fazer melhor para conquistar melhor. Quando Júpiter formar uma conjunção com Plutão sentiremos esse aumento de energia, com vista a rentabilizar ao máximo o nosso potencial.

É de ter em conta, ainda assim, que a conjunção de Júpiter com Plutão pode também criar a propensão para o exagero derrotista, porque Júpiter insufla tudo aquilo em que toca e Plutão tende a mostrar-nos com maior clareza as sombras mais escuras da nossa vida. No período entre março e novembro devemos ter especial atenção a esta tendência. Entre fevereiro e outubro Júpiter forma também um aspeto harmonioso com Neptuno, o que nos ajudará a ter fé e pode até trazer visões e mensagens surpreendentes.

Embora passe grande parte do ano em Capricórnio, Saturno irá entrar em Aquário no final de março de 2020, o que também terá um forte impacto na energia dominante, já que Saturno tem estado em Capricórnio nos últimos dois anos e meio. Saturno estará em Aquário entre o final de março e julho. Como estará retrógrado voltará a reentrar em Capricórnio em julho, saindo definitivamente a 17 de dezembro de 2020. Saturno em Aquário trará novas lições e uma energia de renovação a outras áreas da nossa vida - ou a outros aspetos da nossa personalidade.

Com esta mudança de Saturno somos conduzidos no sentido de concluir finalmente lições kármicas com as quais temos estado a lidar ao longo dos últimos dois anos e meio, arrumando definitivamente assuntos que mexeram profundamente com as nossas bases interiores. A boa notícia é que, quando Saturno muda de signo, deixa-nos geralmente algumas recompensas - que arduamente conquistámos com o esforço que tivemos de fazer para enfrentar as lições e os desafios que nos apresentou. 

Outra das grandes mudanças astrológicas deste ano tem a ver com os Nodos Lunares (que não são astros, são os pontos onde a órbita da Lua se cruza com a trajetória aparente do Sol, vista a partir da Terra), que mudam de signo. O Nodo Norte e o Nodo Sul da Lua opõem-se sempre. Desde maio de 2018 que o Nodo Norte se encontrava em Caranguejo e o Nodo Sul em Capricórnio. Em maio de 2020 o Nodo Norte (retrógrado) entrará em Gémeos, o Nodo Sul em Sagitário.

Uma vez que os eclipses, que ocorrem no início, no meio e no final do ano, estão relacionados com os Nodos Lunares (porque os eclipses implicam sempre o Sol e a Lua nas suas trajetórias), isso significa que esta mudança de signos dará origem a um novo ciclo de eclipses, que irão "iluminar" áreas novas na nossa vida.

Geralmente ocorrem quatro eclipses ao longo do ano: dois solares e dois lunares. Em 2020, no entanto, teremos seis eclipses, o que também é raro e terá um impacto energético significativo. Só daqui a nove anos voltaremos a presenciar este fenómeno. Quatro dos eclipses que ocorrem em 2020 serão lunares, o que pode criar uma certa tensão energética porque os eclipses lunares (quando a Terra se interpõe entre o Sol e a Lua) são mais intensos, mexendo profundamente com as nossas emoções e a nossa segurança (ou a falta dela). O facto de contarmos com quatro eclipses lunares ao longo deste ano reforça também a ideia de que este ano será um marco de viragem na nossa vida.

Os eclipses implicam geralmente a clarificação de assuntos, fazendo-nos compreender melhor certos aspetos da nossa vida, mas muitas vezes os eclipses lunares indicam que é preciso deixar partir alguma coisa para que possamos aceder a um novo caminho e mudar de rumo.

Em 2020 haverá, também, ainda mais planetas retrógrados do que já é habitual. Para além de Mercúrio, que fica retrógrado com regularidade, e dos planetas Júpiter, Neptuno, Úrano e Plutão que também têm tendência para ficar retrógrados, este ano também Vénus e Marte estarão retrógrados, o que só acontece a cada dois anos.

O facto de haver tantos planetas retrógrados criará um abrandamento energético. Assim, se por um lado haverá transformações profundíssimas e novas lições a aprender, com o encerramento de ciclos, por outro lado a tendência será para sentir que tudo se processa devagar. Não conte com montanhas-russas ao longo deste ano - Capricórnio, que domina a energia do ano, pede tempo, paciência, e sobretudo rigor. Aquilo que tem de ser feito precisa de ser feito bem - e depressa e bem, não há ninguém...

Este abrandamento energético dar-nos-á, também, o tempo de que precisamos para interiorizar e processar todas as mudanças pelas quais estaremos a passar, com as quais teremos de lidar, ou que sentiremos necessidade de fazer.

Em resumo, 2020 será um ano de profundas mudanças e transformações, as quais nos permitem sonhar mais alto mas de forma mais consciente, mudando a direção da nossa vida para metas tangíveis e realidades mais satisfatórias. Seremos, também, direccionados no sentido de compreender o sucesso pessoal e a felicidade em novos termos, não só a nível individual mas sobretudo coletivo.

2020 é o ano ideal para definir metas mais realistas e para assumir a sua responsabilidade como co-criador da vida que deseja ter. Afinal de contas, Capricórnio é o signo da responsabilidade, do compromisso. E só nós podemos fazer o que é preciso ser feito para sermos felizes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.