A análise da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO PROTESTE) tem revelado aumentos quase todas as semanas, "com alguns produtos a registarem subidas de preços de dois dígitos de uma semana para a outra".

Na última semana, entre 28 de dezembro e 4 de janeiro de 2023, os dez produtos com maiores subidas de preço foram:

  • os douradinhos de peixe (mais 16%, ou seja, mais 89 cêntimos por embalagem);
  • o iogurte líquido (mais 13%, ou seja, mais 30 cêntimos por pack);
  • o arroz carolino (mais 10%, ou seja, mais 19 cêntimos por quilo);
  • os brócolos (mais 9%, ou seja, mais 24 cêntimos por quilo);
  • o grão cozido (mais 9%, ou seja, mais 17 cêntimos por embalagem);
  • a couve-flor (mais 8%, ou seja, mais 17 cêntimos por quilo);
  • o arroz agulha (mais 7%, ou seja, mais 10 cêntimos por quilo);
  • o café torrado moído (mais 7%, ou seja, mais 21 cêntimos por embalagem);
  • a costeleta de porco (mais 7%, ou seja, mais 39 cêntimos por quilo);
  • e as salsichas Frankfurt (mais 7%, ou seja, mais 9 cêntimos por embalagem).
Cabaz alimentar custa mais de 219 euros na primeira semana do ano. Veja os 10 produtos que mais aumentaram no último ano
Cabaz alimentar custa mais de 219 euros na primeira semana do ano. Veja os 10 produtos que mais aumentaram no último ano
Ver artigo

"Portugal está altamente dependente dos mercados externos para garantir o abastecimento dos cereais necessários ao consumo interno. Estes representam apenas 3,5% da produção agrícola nacional — sobretudo milho (56%), trigo (19%) e arroz (16 por cento)", adverte a DECO PROTESTE.

No início da década de 90 a autossuficiência em cereais rondava os 50%, mas atualmente o valor não ultrapassa os 19,4%. "Esta é uma das percentagens mais baixas do mundo e obriga o país a importar cerca de 80% dos cereais que consome", alerta.

A invasão da Rússia à Ucrânia, de onde eram provenientes grande parte dos cereais consumidos na União Europeia, e em Portugal, veio pressionar ainda mais um setor que estava há meses a braços com as consequências de uma pandemia e de uma seca com forte impacto na produção e na criação de stocks

Os dez produtos que mais viram o seu preço aumentar, entre 23 de fevereiro de 2022 e 4 de janeiro de 2023, foram:

  • o arroz carolino (mais 81%, ou seja, mais 92 cêntimos por quilo);
  • a alface frisada (mais 51%, ou seja, mais 1,04 euros por quilo);
  • a cenoura (mais 47%, ou seja, mais 36 cêntimos por quilo);
  • o açúcar branco (mais 47%, ou seja, mais 52 cêntimos por quilo);
  • a polpa de tomate (mais 43%, ou seja, mais 38 cêntimos por embalagem);
  • o leite meio-gordo (mais 42%, ou seja, mais 29 cêntimos por litro);
  • a bolacha maria (mais 38%, ou seja, mais 80 cêntimos por pack);
  • a couve-coração (mais 38%, ou seja, mais 40 cêntimos por quilo);
  • os douradinhos de peixe (mais 38%, ou seja, mais 1,80 euros por embalagem);
  • e o iogurte líquido (mais 37%, ou seja, mais 72 cêntimos por pack).

Veja ainda: 10 situações em que ir supermercado pode colocar a saúde em risco

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.