“Setembro de 2023 foi o setembro mais quente de que há registo ao nível mundial”, batendo o anterior recorde, em 2020, por uma margem “extraordinária” e dando continuidade a uma série de recordes mensais globais iniciada em junho, revelou o Copernicus num relatório mensal.

Com uma temperatura média global à superfície de 16,38 graus Celsius, o mês de setembro foi uma “anomalia sem precedentes”, ultrapassando o recorde estabelecido no nono mês de 2020 por uma margem de 0,5 graus Celsius.

Setembro de 2023 foi “1,75 graus Celsius mais quente do que a média de setembro no período 1850-1900”, antes do registo dos efeitos das emissões de gases com efeito de estufa sobre o clima, acrescentou o Copernicus.

Por outro lado, a temperatura média global desde janeiro é a mais quente alguma vez medida nos primeiros nove meses de um ano: 1,4 graus Celsius acima do clima nas décadas de 1850-1900 e mais perto do que nunca do limite mais ambicioso do acordo de Paris (1,5 graus Celsius em vários anos).

“Este mês extremo” de setembro “impulsionou 2023 para a duvidosa honra de liderar o ranking, a caminho de se tornar o ano mais quente e ultrapassar em cerca de 1,4 graus Celsius as temperaturas médias da era pré-industrial”, disse, em comunicado, a diretora adjunta do serviço de Mudanças Climáticas do Copernicus, Samantha Burgess.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.