A 25 de maio chegou o alerta: “Se todos os países do mundo consumissem como Portugal, o cartão de crédito ambiental teria de ser acionado”. Ou seja, nesse sábado primaveril, Portugal já havia gasto todos os recursos disponíveis para o presente ano. Contas feitas, 21 dias mais cedo face a 2018.

Um alerta deixado pela Zero, associação ambientalista, que Luis Rodrigues, Diretor Regional das Pescas dos Açores, recordou na abertura do simpósio que decorre em Lisboa a 27 e 28 de maio, o “Sangue na Guelra”. Na sua intervenção, este responsável trouxe um olhar “sobre o maior território marítimo da Europa, os Açores” e ilustrou-o trazendo aos presentes no simpósio uma imagem com uma espécie destas águas atlânticas, “o Atum Rabilho. Uma das espécies mais emblemáticas da região. Constatámos que, a cada ano, se estava a pescar metade daquilo que se capturava no ano anterior. Acresce que 85% das embarcações de pesca açorianas são licenciadas para a pesca do atum. Menos pesca traz um enorme impacto nas famílias”, sublinhou Luis Rodrigues, recordando o efeito de escala: “Temos três fábricas que ocupam 900 pessoas”. Havia que descobrir as razões para esta quebra do recurso marinho. E, aqui, a narrativa entronca na questão da sobrepesca.

Mar: “Estamos a esgotar os oceanos sem antes os conhecermos”
Atum comercializado num mercado asiático.

“Nos últimos anos entraram cerca de 500 operadores da pesca do cerco no Atlântico. Nos Açores, a pesca do atum faz-se com salto e vara”. Em suma, como sublinhou o Diretor Geral, “num só lance de pesca do cerco podem vir à rede 300 toneladas de atum, tanto quanto os Açores capturam num ano com o método tradicional. Tínhamos de dar o alerta. Há que recordar que falamos de uma espécie migratória, não é um recurso existente todo o ano nas águas nacionais”.

Um mundo de desperdício. Entregamos ao lixo mais de mil milhões de toneladas de alimentos por ano
Um mundo de desperdício. Entregamos ao lixo mais de mil milhões de toneladas de alimentos por ano
Ver artigo

“Fizemos um memorando em diferentes línguas e no encontro anual da entidade que faz a gestão internacional do atum estive presente. São reuniões intensas, com mais de 50 países à volta de uma mesa, todos eles defendendo uma cota. Quando, finalmente, consegui chegar ao debate, descobri que a mesma pessoa que representava a pesca de lance nos Açores era a que representava o cerco. Fiz, então, lobby com organizações ambientais. Tivemos um encontro internacional de pesca de salto e vara [Conferência Internacional sobre Pesca de Atum de Salto e Vara, decorrido em 2017]”.

Um episódio que deu a Luis Rodrigues pretexto para trazer ao auditório reunido em Lisboa, um retrato sobre os “oceanos, o maior reservatório de água do planeta. Devemos pensar no ciclo da água. A que temos dentro da garrafa que seguramos na mão esteve no oceano. Este dá-nos oxigénio, o oceano purifica o ar. É, também, a fonte de proteína selvagem. Oitenta por cento das espécies do planeta vivem neste habitat. Conhecemos apenas 10% deste meio. Estamos a esgotar os oceanos sem antes os conhecermos”.

Mar: “Estamos a esgotar os oceanos sem antes os conhecermos”

“A cada dez anos, a política para a pesca altera-se. Uma parte das regras chega-nos de Bruxelas. Porque alteramos a política a cada década? Porque há nova tecnologia, novos pescadores, novos barcos”, substancia Luis Rodrigues para, depois responsabilizar todos os cidadãos: “A cada década, todos nós somos convidados a participar na construção dessas regras. A ferramenta que agiliza o processo de discussão chama-se ´Livro Verde da Reforma da Política Comum das Pescas`. No último livro era referido que 90% dos recursos marinhos estão sobrexplorados. Repare-se, um quarto do que se pesca na Europa é para fazer farinha para alimentar animais domésticos. Um quinto do que se pesca no Velho Continente é acidental e rejeitado. Trinta porcento dos ecossistemas marinhos na Europa estão colapsados, não voltarão a ser o que eram”.

Para o orador, “temos, enquanto consumidores, de garantir a mudança. Variar as espécies de peixe consumidas. A maioria das pessoas consome as mesmas quatro ou cinco espécies marinhas”.

Mar: “Estamos a esgotar os oceanos sem antes os conhecermos”

“Em 2001 discutia-se a política de pescas e corríamos o risco de perder uma parte do território marítimo português, passando para a gestão de Bruxelas. Eu não via essa discussão pública acontecer. Quisemos levar a questão à Assembleia da República. Tínhamos de reunir 75 mil assinaturas. As pessoas não compreendiam a real dimensão do que estava a acontecer. Na Universidade, pedi aos meus alunos que desenhassem Portugal. Desenhavam terra, mas esqueciam-se de toda a Zona Económica Exclusiva Nacional. Ou seja, nós não incorporámos o mar no nosso imaginário como um território que é nosso”.

Luis Rodrigues desmistificou o mar dos Açores: “Ao contrário do que se imagina, nós temos muito pouco peixe. Porquê? Porque a maior parte do peixe precisa de um fundo com luz. Nós, nos Açores, temos um mar abissal, com mais de três mil metros de profundidade. Pescamos na orla das ilhas e locais que já foram ilhas, erodiram-se, tornando-se bancos de pesca”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.