Em comunicado, a FCUP explica hoje que o estudo, publicado na revista Scientific Reports da Nature, detetou a existência de ondas internas geradas pela pluma do Rio Douro, destacando estar em causa algo pioneiro porque pela "primeira vez, a nível mundial, comprovada a existência destas ondas em rios de caudal mais pequeno”.

A pluma, formada quando águas de diferentes densidades se encontram, é uma forma de transporte de nutrientes ou de poluentes do rio para o oceano.

“Estas ondas internas, de grande amplitude e que se propagam entre a pluma e o mar, são importantes na regulação do clima e podem também dar pistas sobre a possível existência de poluição costeira, com impacto na saúde pública”, refere a instituição.

Citado no comunicado, José da Silva, docente da FCUP e investigador do Instituto de Ciências da Terra afirma que, apesar do conhecimento sobre a possível existência de ondas internas, tal nunca tinha sido comprovado.

Para a realização deste estudo foram necessárias “várias idas ao mar” para fazer medições ‘in situ’ de parâmetros como a salinidade e a temperatura, trabalho levado a cabo pelo investigador Renato Mendes do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR).

Já no laboratório, os investigadores conciliaram a análise com a observação de dados de satélite fornecidos pelo Sentinel -2 da Agência Espacial Europeia (ESA).

“Acreditava-se que as ondas internas apenas se podiam gerar em regime supercrítico, ou seja, quando a intensidade das correntes provenientes do rio fosse superior à velocidade de propagação de ondas internas”, esclarece o investigador.

Segundo José da Silva, “pensava-se que apenas os rios de grande caudal conseguiam gerar ondas internas na região litoral”, como o Rio Columbia, na costa oeste dos Estados Unidos da América (EUA).

De acordo com o investigador, o próximo passo do estudo é analisar o conteúdo que resulta da mistura das ondas internas, nomeadamente, a acumulação na pluma do rio (visível à superfície e de cor amarelada) de “matéria orgânica, bactérias e vírus”.

Esta investigação integra o projeto DORIS, coordenado pela FCUP e no âmbito do qual está a ser desenvolvido por investigadores do Laboratório de Sistemas e Tecnologia Subaquática da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) um veiculo de superfície autónomo para recolher amostras do material orgânico que existe à superfície da pluma.

Posteriormente, o material orgânico será analisado no Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro.

“Estas amostras podem dar importantes pistas sobre a poluição na zona costeira”, acrescenta a FCUP.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.