Dependendo do tipo de trabalho que realiza, se está desempregado ou é pensionista, os seus rendimentos vão alterar-se no próximo ano com o aumento do salário mínimo nacional, das pensões e do Indexante dos Apoios Sociais (IAS). Vejamos neste artigo o que vai acontecer aos rendimentos de trabalhadores por conta de outrem, trabalhadores independentes, pensionistas e desempregados.

Trabalhadores por conta de outrem: aumento do salário mínimo e novas tabelas de retenção na fonte

Em 2023, uma das medidas implementadas pelo Governo é o aumento do valor do salário mínimo nacional de 705 para 760 euros. Se é trabalhador por conta de outrem, em entidades públicas ou privadas, caso receba o valor mínimo, vai ser aumentado em 55 euros no próximo ano.

Quanto vou receber de salário líquido em 2023?
Quanto vou receber de salário líquido em 2023?
Ver artigo

Se não existirem outros rendimentos nem complementos salariais, na prática, em termos líquidos, vai passar a receber um salário de 676,40 euros. Já contabilizando o desconto para a Segurança Social, de 11% (83,60 euros). Neste caso, não desconta IRS, pois com este valor fica isento da retenção na fonte.

Além do aumento do salário mínimo, também o subsídio de alimentação foi aumentado para a Função Pública. O valor diário era 4,77 euros e passou, em outubro, a ser de 5,20 euros. Isto no caso de receberem o subsídio em dinheiro. Se receber o valor em vale ou cartão refeição, o valor passou de 7,63 euros para 8,32 euros. Assim, ao trabalhar os 22 dias de trabalho efetivo ao final do mês, passou a receber um total de 114,40 euros em dinheiro ou 183,04 euros em vale ou cartão.

Deve ainda saber que este subsídio não se encontra isento de impostos. Porém, a isenção de IRS está associada ao valor mínimo, significando assim que o subsídio de alimentação passou a estar isento de IRS até 5,20 euros em dinheiro e 8,32 euros em vale ou cartão refeição. A partir daí, e tendo em conta que é um rendimento de trabalho dependente, a parte que exceder o limite mínimo legal (5,20 euros), ou em 60% desse valor em vale ou cartão, está sujeito ao pagamento de IRS.

Se trabalhar numa empresa privada, saiba que a sua entidade patronal não está obrigada a pagar-lhe subsídio de alimentação, nem a aumentá-lo.

Ainda pode sentir um aumento no seu salário líquido devido à entrada em vigor das novas tabelas de retenção na fonte de IRS em 2023 que farão com que a generalidade dos trabalhadores e pensionistas descontem menos IRS todos os meses, ficando assim com um rendimento líquido superior. As atualizações decorrem das mudanças no mínimo de existência, da atualização em 5,1% dos escalões de IRS e da redução de 23% para 21% da taxa marginal do segundo escalão do IRS, previstas no Orçamento do Estado para 2023.

Confira quanto vai receber em 2023 com o Simulador de Salário Líquido.

Trabalhadores independentes com alterações nos descontos

Os trabalhadores independentes podem contar com uma alteração no valor das contribuições para a Segurança Social (SS). Isto porque o Indexante dos Apoios Sociais (IAS) aumenta de 443,20 euros para 480,43 euros em 2023. E é com base neste indexante que é calculado o rendimento mensal médio considerado para efeitos do pagamento de contribuições, a base de incidência contributiva.

O que muda nos Planos Poupança Reforma em 2023? Há vantagem em investir até ao final do ano?
O que muda nos Planos Poupança Reforma em 2023? Há vantagem em investir até ao final do ano?
Ver artigo

Num regime de contabilidade organizada em 2022, as contribuições tinham um limite mínimo de 664,80 euros (1,5 vezes o IAS), e máximo de 5.318,40 euros (12 vezes o IAS). Em 2023, estes limites alteram-se para o mínimo de 720,65 euros e máximo de 5.765,16 euros.

Já no que respeita ao IRS, não se prevê mudanças brevemente, mas a longo prazo. De acordo com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, está a ser trabalhado um modelo que vai alterar a retenção na fonte dos trabalhadores independentes, com o propósito de a aproximar do seu rendimento real. Assim, está em causa um modelo de retenção na fonte para o anexo B “que substitua o modelo de taxa fixa de 25% para que a retenção na fonte seja adaptada ao rendimento efetivo que estas pessoas têm”.

Em julho de 2023 a retenção na fonte do trabalho dependente vai sofrer mudanças, mas o novo modelo para o trabalho independente não vai acompanhar essa alteração. É um trabalho que levará mais tempo, não havendo previsões de quando entrará em vigor.

Aumento do IAS impacta pensionistas e desempregados

Devido ao aumento do IAS, também as pensões e os limites do subsídio de desemprego serão atualizados em 2023.

A partir de janeiro do próximo ano, as pensões vão aumentar entre 3,89% e 4,83%, valores acima do que foi anunciado inicialmente, devido ao valor final da inflação de novembro. Da mesma forma, o IAS vai subir 8,4% em janeiro, refletindo-se nos valores das pensões:

- Pensões até 960,86 euros (dois IAS) vão aumentar 4,83%;

- Pensões entre 960,86 euros e 2.882,58 euros (entre dois e seis IAS) com aumento de 4,49%;

- Pensões entre 2.882,58 e 5.765,16 euros (entre seis e 12 IAS) aumentam 3,89%.

- Pensões acima de 5.765,16 euros não terão aumento.

Quanto ao subsídio de desemprego, os seus limites são atualizados em 2023 para:

- Limite mínimo do valor mensal do subsídio de desemprego, sendo 1,15 vezes o valor do IAS, passa de 509,68 euros para 550,5 euros (+40,8 euros);

- Limite máximo do valor mensal do subsídio de desemprego, equivalente a 2,5 vezes o valor do IAS, passa de 1.108 euros para 1.196,7 euros (+89 euros).

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.