Os intermediários de crédito são entidades (pessoas ou empresas) que fazem a mediação entre o cliente e a instituição do crédito. Têm de estar registados no Banco de Portugal, de modo a terem autorização do regulador para funcionarem no mercado. Neste sentido, é importante estar atento e certificar-se de que o intermediário com que vai avançar tem autoridade para o fazer e não é burlado.

Como funcionam os intermediários de crédito?

Para que o processo da conceção de crédito seja facilitado, os intermediários de crédito tratam de toda a mediação entre o cliente e a instituição até o financiamento estar concluído. No entanto, quem concede o crédito é somente a instituição bancária.

Pode encontrar intermediários de crédito nos stands de automóvel, mediadoras imobiliárias, lojas de eletrodomésticos e aparelhos eletrónicos, entre outros locais.

Existem três tipos de intermediários de crédito: o vinculado, que só atua consoante responsabilidade total e incondicional do mutante com quem celebrou contrato de vinculação; o intermediário a título acessório, que fornece bens ou serviços em nome e responsabilidade do mutante, mas atua como intermediário de crédito; e o não vinculado, que trabalha sem contrato de vinculação.

Ao que deve estar atento para evitar burlas com intermediários de crédito?

Antes de avançar para um processo com um intermediário de crédito, deve ter em conta alguns aspetos previamente. Deve redobrar os cuidados numa altura que se antecipa crítica, devido à subida de preços de bens e serviços.

Também o Banco de Portugal tem emitido alertas sobre burlas na concessão de crédito para que os consumidores se mantenham atentos.

Desta forma, e de acordo com as recomendações do Banco de Portugal, em primeiro lugar deve verificar a veracidade da entidade com que vai contactar. Deve suspeitar caso alguma entidade lhe apresente uma solução demasiado “milagrosa”. Ou então, caso lhe cobre, por exemplo, uma comissão para avaliar se lhe pode conceder crédito.

Se estiver em dúvida, pesquise, procure e informe-se. Caso não encontre a informação que procura, pode sempre contactar diretamente o Banco de Portugal.

Existe uma lista de intermediários de crédito autorizados

O primeiro passo, como já referido, é consultar a lista de intermediários de crédito autorizados, facultada pelo Banco de Portugal. Isto para que tenha a certeza de que a entidade com que vai avançar tem autorização para o fazer.

Esta lista define as entidades habilitadas a atuar como intermediários de crédito. Mas existe ainda outra lista que define a legitimidade de instituições de crédito, sociedades financeiras, instituições de pagamento e instituições de moeda eletrónica que prestam serviços de intermediação de crédito ou consultoria em contratos de crédito em que não atuem como mutantes.

Ou seja, se não encontrar a entidade de que está à procura nessa lista, não avance com o processo, pois não deve estar autorizada a atuar.

Além disso, saiba que os intermediários de crédito têm de lhe apresentar a ficha de informação normalizada de crédito (FIN), que retrata as características do crédito e a informação pré-contratual do respetivo serviço.

Por fim, deve suspeitar de um intermediário de crédito que lhe cobre uma comissão. Isto porque os intermediários de crédito vinculados e a título acessório estão proibidos, por lei, de cobrar comissões aos consumidores. No entanto, os intermediários de crédito não vinculados podem cobrar pelos seus serviços. Logo, deve verificar a categoria do intermediário a que está a recorrer antes de avançar, para que evite cair em qualquer tipo de esquema com burlas de crédito.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.