O transplante de um rim é a melhor opção para doentes com insuficiência renal crónica avançada. Existem ainda, todavia, muitos mitos em torno da transplantação que dificultam a doação, sendo necessário clarificá-los, alerta a Sociedade Portuguesa de Nefrologia. O primeiro transplante de um órgão em Portugal foi há 50 anos, a 20 de julho de 1969, pela equipa do cirurgião Alexandre Linhares Furtado, em Coimbra.

"Era um progresso necessário ao país e eu não hesitei", assumiu, cinco décadas depois, o especialista em entrevista ao Diário de Leiria. "Era o cumprimento de um dever que eu tinha", refere. Meio século depois, o otimismo mantém-se. "A taxa de sucesso do transplante renal é superior a 90% no primeiro ano. As estimativas apontam para que 50% dos transplantes de rim funcionem mais de 11 a 12 anos", refere Fernando Nolasco.

Mãe recebe transplante de rim da filha de 20 anos
Mãe recebe transplante de rim da filha de 20 anos
Ver artigo

"E há doentes com 20 anos de transplante que fazem a sua vida normal, o que é um grande sucesso no tratamento destes doentes", sublinha o presidente da comissão científica da Sociedade Portuguesa de Nefrologia (SPN). "A transplantação tem uma melhor capacidade de substituição da perda da função do rim do que a hemodiálise. Dá uma maior autonomia ao doente com melhor qualidade mas tem outras exigências, como as terapêuticas de manutenção no período pós-transplante", acrescenta ainda este especialista.

Antes do transplante de um rim, são realizados vários exames para certificar que os órgãos do dador estão em bom funcionamento e que este cidadão benemérito não é portador de nenhuma doença que possa ser transmitida ao recetor. O sangue do dador tem também de ser cruzado com o dos possíveis recetores. "Apenas receberá o rim o doente que preencha o maior número de condições", assegura este organismo.

De acordo com números do Instituto Português do Sangue e da Transplantação, em 2012 foram realizados em Portugal 681 transplantes de rim, menos 157 do que em 2011, o que representa uma redução de 19% do número de transplantes. Em Portugal, estima-se que cerca de 800.000 pessoas venha, em média, a sofrer de doença renal crónica. As estimativas consideram qualquer uma das suas cinco fases ou estádios de evolução.

A progressão da doença é muitas vezes silenciosa. Não apresenta grandes sintomas, o que leva o doente a recorrer ao médico tardiamente, já sem possibilidade de qualquer recuperação. Nos últimos anos, o número de transplantes renais com dadores vivos cresceu. Só no primeiro semestre de 2019 aumentou cerca de 33%. Os dados foram avançados pelo Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST, IP).

Estes números representam um avanço face ao ano anterior, uma vez que no primeiro semestre de 2018 o número destes dadores tinha sofrido uma diminuição de 40% face a 2017, uma redução que deixou muitos profissionais do setor em alerta. A SPN é uma organização de utilidade pública, sem fins lucrativos, fundada em 1978, que tem por missão melhorar a qualidade de vida de todas as pessoas afetadas de doença renal.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.