Ocorre, sobretudo, entre os 40 e 50 anos, afetando duas a três vezes mais as mulheres do que os homens, nomeadamente durante a gravidez. Consiste num conjunto de sintomas causados pela compressão do nervo mediano, responsável por controlar a sensibilidade da palma do polegar, dedo indicador e dedo médio e a ação dos músculos ao redor da base do polegar, na sua passagem pelo túnel cárpico que correscponde à estrutura na face palmar do punho.

A compressão do nervo ocorre quando os tecidos que rodeiam os tendões flexores no punho (bainhas sinoviais) inflamam, provocando um inchaço que exerce pressão sobre o nervo mediano.

Causas

Os principais fatores que contribuem para o seu aparecimento são a hereditariedade, uso excessivo da mão, alterações hormonais relacionadas com a gravidez; doenças como diabetes, artrite reumatoide e desequilíbrio da tiroide. Na maioria dos casos, não existe uma causa única.

Sintomas

Podem variar de pessoa para pessoa, de leve a grave e tendem a ser
intermitentes numa fase inicial, para depois se tornarem constantes. Por
norma, são piores à noite. Uma ou ambas as mãos podem ser afetadas:

-
Formigueiro e sensação de picadas na região enervada pelo nervo
mediano. Os dedos indicadores e médio são os primeiros a serem afetados.

- A sensação de formigueiro pode evoluir para dor nos dedos, que pode irradiar até ao antebraço.

- Adormecimento dos dedos e/ou em parte da palma da mão.

-
Fraqueza de alguns músculos nos dedos das mãos e/ou polegar (casos
raves). Pode causar falta de força de preensão e levar à perda de massa
muscular na  base do polegar.

Cirurgia

Quando o tratamento conservador se revela ineficaz, a cirurgia é uma
opção. Uma pequena incisão irá cortar o ligamento sobre a parte superior
do punho e aliviar a pressão no túnel cárpico.

É feita em ambulatório,
sob anestesia local, envolvendo depois um plano de exercícios elaborado
por um fisioterapeuta para garantir a mobilidade completa.

Importância da prevenção

Para a maioria das pessoas, os sintomas irão piorar progressivamente se não for adotada nenhuma forma de tratamento.

Estilo de vida

Se
os sintomas estão associados a uma atividade esta deve ser
interrompida, modificada ou reduzida. Tente não usar o punho em tarefas
de compressão ou preensão excessiva. Se tiver excesso de peso, emagrecer
é importante. Eis  algumas opções que deve ter em linha de conta:

- Fisioterapia

Exercícios
de alongamento dos flexores do punho e dedos, e de mobilização do nervo
mediano podem ajudar. Uma tala poderá ser utilizada à noite ou durante
as atividades que agravam os sintomas. Em www.fisioinforma.com encontra exercícios para esta síndrome. 

- Fármacos

Se
a situação é parte de uma condição mais geral de saúde (como a
artrite), o  tratamento dessa doença pode ajudar. Pode-se também
recorrer, sob vigilância médica, a anti-inflamatórios não-esteroides.
Recorre-se também a aplicações de ultrassons, embora os seus benefícios
não sejam consensuais. As injeções de corticoesteroides proporcionam
alívio, durante três a seis meses.

Revisão científica: João Maia (fisioterapeuta)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.