O perfil lipídico é considerado um ótimo preditor da doença coronária (estudo de Framingham).

O exame é realizado a partir de uma simples colheita de sangue de uma veia do antebraço, sendo necessário jejum de 9 a 12 horas antes da colheita do sangue.

O perfil lipídico bioquímico inclui um painel de testes ao Colesterol Total, Fração LDL, VLDL e HDL do Colesterol, Triglicéridos, Eletroforese das Lipoproteínas, Apolipoproteína AI, Apolipoproteína B100 e Lipoproteína (a).

O colesterol é uma das várias substâncias produzidas pelo nosso organismo e é importante para a nossa saúde. Parte é produzido pelo fígado e outras células e a outra parte, vem da nossa dieta, dos alimentos que ingerimos. Em quantidades normais é fundamental ao metabolismo. No entanto, quando em excesso, conduz a problemas como a aterosclerose. O colesterol LDL - lipoproteína de baixa densidade - é comumente designado de “mau” colesterol, dado que se deposita nas paredes das artérias, originando a sua obstrução. O Colesterol HDL - lipoproteína de alta densidade - representa o “bom” colesterol, responsável pela remoção do “mau” colesterol do sangue e das paredes das artérias. Os triglicéridos são componentes de grande parte das gorduras alimentares e a sua presença em excesso aumenta o risco de doença cardiovascular.

Como interpretação do perfil lipídico, devem ser considerados os seguintes intervalos de referência:

Colesterol Total

  • Desejável: menos de 190 mg/dL
  • Risco Intermédio: 139-239 mg/dL
  • Risco Elevado: superior a 240 mg/dL

Colesterol LDL

  • Ideal: menos de 100 mg/dL
  • Bom: 100-115 mg/dL
  • Risco Intermédio: 116-139 mg/dL
  • Risco Elevado: 160-189 mg/dL
  • Risco Muito Elevado: mais de 190 mg/dL

Colesterol HDL

  • Risco Elevado: menos de 45 mg/dL
  • Risco Intermédio 45-59 mg/dL
  • Desejável: superior a 60 mg/dL

Triglicerídeos

  • Desejável: menos de 150 mg/dL
  • Risco Intermédio: 150-199 mg/dL
  • Risco Elevado: 200-499 mg/dL
  • Risco Muito Elevado: mais de 500 mg/dL

Além dos níveis de colesterol LDL elevados, o risco de doença coronária inclui outros fatores de risco, como hábitos tabágicos, hipertensão arterial, diabetes, idade e histórico familiar de doença cardíaca.

Os resultados do perfil lipídico permitem assim ao médico assistente avaliar o risco de doença cardíaca e decidir qual o plano de acompanhamento e terapêutica para o paciente. As opções de tratamento podem envolver mudanças no estilo de vida ou medicamentos para a redução dos lípidos.

O screening lipídico deve ser iniciado aos 20 anos. Recomenda-se que adultos saudáveis sem outros fatores de risco de doença cardíaca realizem um perfil lipídico a cada cinco anos, podendo ser analisados apenas os níveis de colesterol. No entanto, se este apresentar valores elevados devem ser realizados outros exames do perfil lipídico. Nos casos clínicos de histórico anterior de colesterol elevado, deve ser realizado com maior frequência recorrendo ao perfil lipídico completo. Os exames aos lípidos não são geralmente solicitados para crianças e adolescentes. No entanto, é recomendado nos casos clínicos de risco aumentado de desenvolvimento de doença cardíaca na vida adulta.

Um artigo do médico Germano de Sousa, especialista em Patologia Clínica.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.