Hallux é o termo em latim utilizado para o 1.º dedo do pé (dedo grande) e valgus para a posição que o dedo adota em relação ao eixo longitudinal do pé.

Este processo inicia-se com o desvio do 1.º metatarso para fora (metatarsus primus varus), e uma vez que os tendões do hallux ficam na sua posição normal, puxam o dedo grande para uma posição oblíqua (hallux valgus). Desta forma, a saliência óssea conhecida como “joanete” é originada pelo osso metatársico, e não pelo dedo grande.

A doença que se aloja nos pés (mas não só) e que pode apodrecer as unhas
A doença que se aloja nos pés (mas não só) e que pode apodrecer as unhas
Ver artigo

No século XIX, a compreensão predominante do hallux valgus “joanete” era o calçado defeituoso ou inadequado. Gradualmente, os cirurgiões começaram a aperceber-se que os joanetes biomecanicamente desenvolviam-se como resultado de fatores genéticos.

No caso das mulheres, esta situação agrava-se devido a razões hormonais e, além da deformidade óssea do “joanete”, os pacientes apresentam normalmente outras deformidades tais como dedos em martelo ou em garra, e calosidades igualmente dolorosas nos pés.

Como corrigir?

Para corrigir esta malformação existem vários procedimentos diferentes, por isso, a escolha de um cirurgião ou ortopedista especializado em cirurgia do pé é fundamental.

O tipo de “joanete” e o grau de deformidade são avaliados pelo exame clínico especializado e através do RX.

A cirurgia aos “joanetes” realiza-se em ambulatório, ou seja, sem internamento, e sem recurso a anestesia geral. É administrado ao paciente um sonífero e anestesia loco-regional (só no pé), o que permite que este durma durante a intervenção e não sinta dores, podendo sair pelos seus próprios pés e regressar a casa pouco tempo depois, usando um sapato pós-operatório.

"Daddy Do-Over", a cirurgia que está a conquistar cada vez mais homens
"Daddy Do-Over", a cirurgia que está a conquistar cada vez mais homens
Ver artigo

A cirurgia é específica para cada paciente, pois esta doença tem algumas variáveis que interferem no tratamento, tais como os sintomas existentes, gravidade das deformações, presença ou não de desgaste das articulações envolvidas, idade, e a existência de outros problemas associados, como deformidades nos outros dedos ou calosidades.

Em situações mais simples, a cirurgia pode ser realizada em ambos os pés numa única sessão.

O uso de talas, palmilhas e cremes podem aliviar parcialmente e provisoriamente os sintomas, porém o seu uso não previne nem corrige as deformidades. Estas apenas podem ser corrigidas através de uma cirurgia realizada por um especialista.

Um artigo do médico Franz Walter Boensch, da Clínica PainCare. 

Franz Walter Boensch é Médico-Cirurgião, Especialista em Cirurgia do Pé e do Tornozelo, Licenciado e doutorado pela Universidade Aachen (Aquisgrano), Alemanha.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.