Os benefícios do aleitamento materno (AM) são amplamente reconhecidos e não se cingem apenas às crianças amamentadas, mas estendem-se à mãe, à própria família e à sociedade.

De igual modo e noutro contexto, a cirurgia mamária, nas suas distintas indicações fisiopatológicas, é uma das principais intervenções cirúrgicas a que a mulher se submete, frequentemente, numa faixa etária jovem e em idade fértil.

É por isso importante compreender o impacto das diferentes abordagens e técnicas cirúrgicas, integradas em contextos clínicos específicos, na anatomofisiologia da mama e na psicossociologia da paciente, com repercussões num futuro AM.

Aleitamento materno

Temos assistido a um aumento estável do AM, gradual (60% em 1993-94 para 77% entre 2005-06, nos EUA). As recomendações actuais são aleitamento exclusivo até aos 6 meses e posteriormente em associção à alimentação complementar até aos 2 anos.

A amamentação vai depender de questões fisiológicas, escolha pessoal, condições socioculturais e da influência dos profissionais de saúde. A cirurgia mamária pode alterar a integridade da estrutura mamária, podendo dificultar o processo de AM.

Cirurgia mamária

Nos dias de hoje a mama é o principal alvo de intervenção cirúrgica na população feminina jovem, por vários motivos: pressão social, cultura da imagem, idade jovem, construção “tardia” da nova família, indefinição futuro.

Ao submeterem-se a uma cirurgia plástica da mama, apenas algumas mulheres têm a preocupação com uma futura possibilidade de amamentação.

Principais intervenções na mama

- Mamoplastia de Aumento – o procedimento cirúrgico estético mais realizado em todo o mundo.
- Mamoplastia de Redução/Mastopexia.
- Cirurgia Oncológica da Mama.

Indicações cirúrgicas

- Hipoplasia mamária
- Assimetria mamária
- Hipertrofia mamária/gigantomastia/hipertrofia virginal juvenil
- Ptose mamária
- Neoplasia mama

É importante a seleção do procedimento adequado que se relaciona para além das questões técnicas com antecedentes pessoais/familiares e com o desejo de ser mãe e de amamentar.

Aleitamento materno no pós-cirurgia mamária

Na literatura existe uma ampla variabilidade de resultados:

- Integridade das unidades funcionais glandulares até ao mamilo: Fator limitativo parece ser a conecção do complexo areolomamilar com uma porção significativa de ductos e lóbulos. Se esta conexão estiver patente e for suficiente então a lactação é possível

- Quantidade e localização do tecido glandular remanescente pós cirurgia: o corpo mamário é um sistema complexo formado por glândulas mamárias, gordura e tecido conjuntivo. No meio deste complexo encontra-se um conjunto de unidades funcionais conhecidas como lóbulos mamários, que são representados por ductos (entre 15 a 20 lobulos). Estes ductos se abrem nos mamilos na forma de poro mamilar, com calibre reduzido, cada um cerca de 0,5 mm de diâmetro, e são responsáveis pela saída do leite pelo mamilo. Antes de alcançar o mamilo, estes ductos formam ampolas que servem para armazenar todo o leite produzido nos intervalos entre as mamadas.

- Sensibilidade CAM – lesão dos nervos comprometer o arco reflexo decorrente da estimulação mamilar pelo lactente (os dados reportam cerca de 8%).

- Invaginação mamilar pós cirúrgica: em 17 % casos pode ocorrer.

Portanto há obviamente influencia da cirurgia da mama sob o aleitamento materno, no entanto os estudo mostram que apesar de todas as alterações pós–operatórias na mama, o AM ocorre em todos os grupos de mulheres submetidas aos diferentes procedimentos.

Parecem influir no sucesso do AM, a informação pré-operatória adequada, a motivação (funcional vs estética) da paciente e o contexto sociocultural.

Particularizando...

1) A mamoplastia de aumento: É das cirurgias estéticas mais realizadas a nível mundial: 60% entre os 19 e 34 anos. Há uma série de variáveis a equacionar (tipo de implante, tipo de incisão, abordagem cirúrgica da bolsa onde vai ficar a prótese, tipo de bolsa (subglandular, submuscular).

Há de facto uma redução média na quantidade de leite produzida pelas mulheres submetidas a mamoplastia de aumento o que compromete particularmente o AM nesta população.

Causas relacionadas com paciente: mama hipoplasica, mulheres magras com desiquilíbrio hormonal, preocupação estética mais acentuada.

Causas cirúrgicas:

- Incisão periareolar - de um grupo de 42 mulheres, 64% tinham lactação insuficiente comparadas com 3% das não operadas. Eventualmente, pois é ainda controverso, pela alteração mais acentuada da sensibilidade CAM, pelo menos numa fase inicial. 21-23.
- O implante – pela pressão que condiciona dor, atrofia glandular e bloqueio dos ductos

Como prevenir e minimizar as complicações:

- Redução da contratura capsular (tipo de implante/ sua localização/ irrigação com AB
- Minimizar complicações (drenagem, minimizar risco de hematomas)
- Informar e esclarecer (benifícios do aleitamento, riscos e complicaões inerentes à cirurgia) sobre a interferência no futuro AM e sobre os benefícios do mesmo
- essa interferência pode ser minimizada (técnica cirurgica correta e bom apoio psicológico) mas não eliminada ou evitada de todo

2) Mamoplastia de redução: Um dos procedimentos mais requisitados em todas as faixas etárias, pelo alivio sintomático, correção postural e melhoria da aparência.

Estudos mostram que depois de iniciado o AM tem a mesma durabilidade que com a mama não operada, o mais difícil é iniciar a lactação.

Idade materna entre 35-39 anos, nível educacional médio, aconselhamento pelos profissionais de saúde contribuem para o sucesso do AM pós redução mamária.

Em resumo:

- Maior consciência da importância do aleitamento materno;
- A expectativa de um AM bem sucedido é cada vez mais elevada;
- Informação relativamente à interferência de uma cirurgia mamária no aleitamento é insuficiente;
- O Aleitamento materno pós cirurgia mamária deve ser encorajado.

Mamoplastia de aumento:

- Há um impacto negativo da Mamoplastia de aumento sobre o aleitamento materno;
- Impacto da abordagem cirúrgica sobre a sensibilidade do CAM é controverso, verificando-se contudo maior risco de lesão ductal com a via periareolar.

Mamoplastia de redução:
- A capacidade de amamentação não depende da quantidade de tecido excisado nem da sensibilidade mamilar;
- As técnicas cirúrgicas permitem preservar a integridade e a continuidade das unidades funcionais glandulares com o CAM.
- O AM é possivel e recomendado.
- As principais causas de insucesso foram o desencorajamento pelos profissionais de saúde e a insuficiência da lactação.

3) Cirurgia oncológica da Mama:

- Abordagem da possível gravidez e amamentação é essencial no contexto oncológico da mama;
- Não há evidência que suporte a privação destes dois processos;
- Impacto positivo na qualidade de vida, autoestima.

Por Ana Silva Guerra, Médica e Cirurgiã Plástica na Clínica Europa