A oferta de pastas de dentes no mercado é tão vasta que na hora de escolher o que levar para casa podem surgir vários motivos de indecisão. Menta ou morango? Branqueadora ou anticáries? Será que a mais barata é igualmente eficaz? Qual a mais indicada para mim?

João Caramês, médico dentista, responde a estas e outras dúvidas. Mas saiba, desde já, que «a pasta de dentes ideal não existe. Existe, sim, a mais ajustada a cada fase da vida, à condição da saúde oral e ao seu gosto pessoal», refere.

Para além disso, deve atentar na máxima menos é mais. A utilização de quantidades exageradas tem como consequência, «além de desperdício, o desgaste excessivo do esmalte dentário, que pode sofrer com a abrasão provocada», sublinha ainda o especialista.

Aspetos a ter em conta:

- Sabor

Proporciona uma sensação de boca fresca, mas não interfere na eficácia da fórmula. Escolha o que mais lhe agradar.

- Procure no rótulo

A quantidade de flúor presente no dentífrico determina a sua eficácia na prevenção de cáries. As pastas para crianças até aos seis anos devem conter 1000 a 1500 ppm (partes por milhão) de flúor; a partir dessa idade, devem apresentar uma concentração de 1500 ppm.

- Textura

Quer seja em gel, líquida ou em pasta, a textura não compromete a eficácia do dentífrico. A textura em gel é, contudo, mais utilizada em fórmulas para dentes sensíveis, uma vez que apresenta maior aderência ao esmalte dentário, contendo menos detergente.

- Ingredientes-chave

O fluoreto de sódio, o nitrato e o citrato de potássio e o cloreto de estrôncio são usados em dentífricos que combatem a sensibilidade dentária. O diclonato de clorohexidina ou o cloreto de cetilpiridínio são usados em fórmulas recomendadas em caso de inflamação gengival.

Como usar

1. Escove os dentes após cada refeição ou, pelo menos, duas vezes ao dia.

2. Utilize uma porção correspondente ao tamanho de uma ervilha (cerca de 1,5 ml).

3.
Lave os dentes antes de se deitar. É durante a noite que as bactérias
mais se multiplicam, aumentando o risco de desenvolvimento de doenças
orais.

4. Incline a escova para a gengiva e crie uma sequência para não se esquecer de nenhum dente.

O especialista responde:

As pastas branqueadoras resultam?

«Apresentam constituintes que ajudam a remover algumas manchas extrínsecas, tornando os dentes mais brancos», refere.

Vale a pena investir?

«Se não houver nenhum problema específico nos dentes ou nas
gengivas, não é necessário optar pelas pastas de dentes mais caras. Nem
sempre são as melhores», esclarece.

O que se pode usar em alternativa?

«Se a pasta de dentes se acabar, escove-os da mesma forma, apenas
com a escova de dentes. A ação mecânica da escovagem é o mais
importante», aconselha.

Texto: Catarina Caldeira Baguinho com João Caramês (médico dentista)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.