Se está farta de pensar em comida 24 horas por dia, não gosta como se sente nem de se ver ao espelho, tem de mudar a sua atitude perante a comida antes de atingir um peso saudável.

 

Livre-se das Ferramentas de Dieta

A dietista recorre a forças externas para regular a sua alimentação, seguindo um plano alimentar rígido, comendo porque são horas de comer ou comendo uma específica (medida) porção, quer tenha fome quer não.

A dietista valida o seu progresso também através de forças exteriores, principalmente com a balança.

Deite fora todos os livros de dietas ou artigos de revistas que a tentam em dietas para perder peso depressa. Zangue-se com as mentiras que a levaram a acreditar ser um falhanço da sua pessoa, cada vez que uma dieta parava de funcionar e o peso voltava.

O(s) Medo(s) de abandonar a mentalidade de dieta

É natural que tenha medo de abandonar a mentalidade de dieta, pois foi fazendo dietas ao longo da vida e porque basta olhara à volta toda a gente está nalguma dieta!

Mas para Comer Intuitivamente tem de Rejeitar a Mentalidade de Dieta! Para tal, a sua cabeça tem de se reger por uma nova realidade com novos pontos de referência. Experimente fazer o seguinte: Livre-se das Ferramentas de Dieta!

Medos Típicos: Bater no fundo (em termos de dieta) é uma sensação desesperante: preço por fazer, preço por não fazer dieta. Há dois receios típicos: "Se eu continuo a fazer dieta dou cabo do meu metabolismo e ganho peso," e "Se paro de fazer dieta ganho ainda mais peso." Outros medos comuns são:

 

MEDO: Se paro de fazer dieta não conseguirei parar de comer

A REALIDADE: Fazer dieta despoleta a voracidade alimentar. Claro que é difícil parar de comer quando se tem feito restrição e se tem comido insuficientemente; é uma resposta normal à fome. Mas uma vez que o seu corpo aprende, e consegue confiar, que você não vai passar mais fome com mais dietas, a intensa vontade de comer diminuirá.

MEDO: Não sei comer quando não estou em dieta

A REALIDADE: Quando banir as dietas e se tornar uma "comedora intuitiva", irá comer em função dos seus sinais internos, que a guiarão. Isto é como aprender a nadar pela primeira vez. Estar rodeada por água pode ser assustador para um principiante. Estar rodeada por comida também pode ser assustador para uma dietista crónica que está a aprender a comer.

Mas você nunca conseguirá aprender a nadar se não ir para além da borda da piscina (mesmo que ache que aprender a nadar é uma coisa muito positiva e útil). Primeiro começa por molhar os pés e aprender a respirar dentro de água. Eventualmente mergulha totalmente, quando estiver preparada – e sentir-se-á mais confortável.

MEDO: Perderei o controle

A REALIDADE: Sentir-se-á em controle ao Comer Intuitivamente, em vez de socorrer a factores e sinais externos. Irá aprender a ouvir e a honrar os seus sinais internos, quer físicos quer emocionais – uma poderosa capacidade.

Se você tem ainda uma pequena (mesmo que ínfima) esperança de que um dia encontrará "a dieta" (milagrosa), não conseguirá libertar-se e iniciar o processo de como aprender a Comer Intuitivamente.

 

O vazio causado por não fazer dieta

Para muitas pessoas, fazer dieta é a maneira de estar na vida e lidar com a vida. Pense nas vezes em que começou uma dieta. Quantas vezes essas fases coincidiram com tempos difíceis ou de transição?

É comum fazer-se dieta nas seguintes fases de transição: na passagem de criança para adolescência, quando sai de casa, porque vai casar ou depois de casar, depois de começar um emprego novo ou enquanto está com problemas conjugais.

Ao mesmo tempo que fazer dieta possa ter sido inútil, ofereceu-lhe contentamento e esperança – o excitamento associado ao emagrecimento rápido e aos números da balança a diminuírem, achando que desta vez é que é!

É como ir ao cabeleireiro mudar de corte, radicalmente, com a expectativa de que a vida mude radicalmente, e que de repente se irá sentir bem consigo própria. Mas quando o excitamento e a novidade das dietas desaparecem, também desaparecerão as falsas esperanças e desilusões.

Há um elemento social de se fazer dieta de que você pode vir a ter saudades. Quando decidir parar de fazer dietas, ficará surpreendida como é frequente o tópico de dieta nas festas, jantares, no emprego, etc. – mas agora você não cairá nessa esparrela. Quase se assemelha a ouvir falar dum filme altamente recomendado mas que não faz tenções de ir ver. Poderá sentir-se um pouco excluída, mas ainda bem.

A Armadilha do "só-mais-uma-dieta”
A Armadilha do "só-mais-uma-dieta”

Você já bateu no fundo, até já sabe que dietas não funcionam e sabe que para dar inicio ao Comer Intuitivamente tem de Rejeitar a Mentalidade de Dieta, mas o desespero é tal que pensa – “farei isto mais uma vez e desta vez farei tudo à risca!”

E começa o familiar ciclo de pensamento da dietista crónica: Só quero emagrecer e depois de perder algum peso, terei cuidado.

Mas enquanto se agarrar à mais ínfima esperança de que mais uma dieta curta e simples a ajudará a emagrecer, ou a ajudará a ser mais feliz, não se livrará da tirania das dietas. Sucumbir à só-mais-uma-dieta é uma das maiores armadilhas porque não tem em conta a realidade – as dietas não funcionam. Então como poderia mais uma dieta fazer parte da solução?

Não há dúvida que se sente melhor quando perde algum peso, mas vários estudos indicam que as melhorias psicológicas são tão temporárias quanto os quilos perdidos e recuperados. Os sentimentos de bem-estar diminuem com o recuperar do peso, e problemas associados à auto-estima e à função psicológica geral, voltam para os níveis originais quando o peso volta também.

A Pseudo-dieta

Muitas pessoas dizem que desistiram de fazer dieta, contudo ainda têm dificuldade em Rejeitar a Mentalidade de Dieta totalmente. Até podem estar fisicamente distanciadas mas os pensamentos de dieta continuam.

O problema é que pensamentos de dieta traduzem-se em comportamentos de dieta, o que resulta numa pseudo-dieta, ou dieta inconsciente.

Consequentemente, estas pessoas sofrem os efeitos secundários das dietas mas são muito mais difíceis de detectar (e por isso sentem-se mesmo descontroladas com a sua alimentação). Os comportamentos de dieta nem sempre são aparentes à pessoa envolvida. Comer é um acto tão universal, é difícil ser-se objectivo.

Pode ser difícil encontrar estes comportamentos mais manhosos se não souber o que procurar.

Exemplos de comportamentos de pseudo-dieta:

 

  • Conta as gramas de gordura - meticulosamente

     

  • Só come comidas “saudáveis” (só come light, sem gordura, sem açúcar, além de contar gramas de gordura)

     

  • Só come a horas certas (come quer tenha fome quer não - é uma herança do hábito de tantas dietas. A realidade é que o nosso corpo não pica o ponto! Não deixamos de ter necessidades energéticas porque são 10:30pm. Por exemplo: se fizer exercício ao final do dia, não come depois por medo de engordar; tudo bem que não deve ir para a cama depois duma refeição pesada, mas não comer nada por causa das horas é errado.)

     

  • Se comer algo errado paga-as! (se comer um chocolate, não almoça… Se comeu sobremesa, amanhã será uma “good girl”)

     

  • Reduzir a comida nas vésperas duma festa ou evento social, etc. (Parece inocente este comportamento, mas comer em quantidades insuficientes despoleta a voracidade alimentar.)

     

  • Distrair a fome com café ou refrigerantes light (truques clássicos de enganar a fome)

     

  • Cortar nos farináceos e cereais (as pessoas até sabem que esta fonte de energia é importante mas cortam com o pão, a massa e o arroz por medo que as faça engordar.)

     

  • Comer sempre saudável em público (só come saladas e coisas leves em público, e nunca sobremesas. Mas depois, sozinha, come mais doces e comidas calóricas do que comeria se não tivesse este comportamento de fachada – pois assim sai-lhe o tiro pela culatra)

     

  • Competir com alguém também em dieta (como um dietista com sucesso é visto como um virtuoso, não admira que se sinta tentada em mostrar a sua virtuosidade.)

     

  • Julgar o que merece comer (baseado no que comeu ontem ou hoje durante o dia, vai determinar se merece comer, em vez de olhar para os seus sinais de fome internos. Sente-se culpada por ter fome duas horas depois de comer uma grande porção – mas pelos vistos a porção não foi suficiente para si, pois está habituada a porções de dieta.)

     

  • Tornar-se vegetariana para emagrecer (esta medida pode ser muito saudável mas cuidado que não se torne mais uma dieta.)

    Fonte: "Intuitive Eating" de Elyse Resch e Evelyn Tribole.
    Texto traduzido e adaptado por Madalena Muñoz.
    www.madalenamunoz.com

    Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

    Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

    Os temas mais inspiradores e atuais!

    Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

    Não perca as últimas tendências!

    Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.