«Sinto que estou a limpar as toxinas acumuladas ao longo dos anos e que o meu corpo caminha para um equilíbrio. Deixei de me sentir inchada. Perdi e continuo a perder o peso que tinha em excesso, de uma forma gradual», assegura. Insatisfeita com o peso e com a silhueta, Olga Silva, 42 anos, abandonou o fogão para iniciar uma dieta rigorosa, onde os alimentos cozidos são substituídos por refeições à base fruta fresca e seca, vegetais, rebentos e algas.

Após quatro meses, garante estar «a adorar esta alimentação», baseada na preservação das enzimas e nos seus benefícios para o organismo. «A minha pele está mais luminosa e macia. Os meus intestinos funcionam como um relógio suíço. Tenho menos fome e vontade de comer. Raramente me apetece consumir doces. Sinto-me com mais energia e, nas situações de stresse, não vou abaixo com tanta facilidade», assegura As palavras poderiam ser de um anúncio publicitário, mas pertencem à realidade.

Dieta de estrelas

O conceito, conhecido como The Raw Food Detox Diet, A Dieta Desintoxicante dos Alimentos Crus em tradução livre, deixou de ser uma prática dos hippies dos anos da década de 1960 para atrair cada vez mais adeptos em todo o mundo, em especial entre as vedetas americanas. Actores como Woody Harrelson, Demi Moore e Alicia Silverstone são algumas das figuras de Hollywood rendidas à dieta dos alimentos crus.

Segundo a imprensa internacional, a estilista Donna Karan perdeu 20 quilos graças a este regime alimentar. Alguns países europeus já têm restaurantes inteiramente dedicados a este tipo de dieta e em cidades norte-americanas como Nova Iorque, Los Angeles e Chicago, os restaurantes de raw food tornaram-se a última moda.

Experiência positiva

Em Portugal, esta vertente de vegetarianismo ainda tem pouca expressão. No entanto, quem segue a dieta considera que se sente mais saudável graças à ingestão do que chama de «alimentos vivos, leves e ricos em enzimas», incluindo rebentos de várias variedades (lentilhas, feijão mungo e alfafa) que são muitas vezes germinados em casa por quem pratica este tipo de dieta.

No caso de Olga Silva, engenheira informática, a mudança foi gradual e aconteceu depois de participar num programa de desintoxicação alimentar de 40 dias. Uma opção da qual nunca se arrependeu. «Só ingeria sumos e smoothies (preparados com a liquidificadora) e senti-me tão bem e leve, tão centrada em mim que só queria voltar a recuperar aquele bem-estar físico, mental e espiritual», refere.

«Em outubro de 2007, retomei esta alimentação, começando com uma percentagem de 50/50 (metade cru e metade cozido). Iniciei, também, a prática de kundalini yoga, um sistema integral que pratica 22 diferentes ramos do yoga num único sistema», conta. «Este sistema foi fundamental», sublinha. «Desde janeiro de 2008, passei a cerca de 90/100 por cento à base alimentos crus», acrescenta ainda.

Veja na página seguinte: Os prós e os contras deste tipo de regime

Os prós e os contras deste tipo de regime

A nutricionista Carla Vasconcelos confirma que «ao evitar cozinhar os alimentos acima de 45 graus, as enzimas são preservadas e podem ficar disponíveis para ajudar nos processos digestivos do organismo. Da mesma forma que são protegidos alguns nutrientes termoláveis, principalmente, vitaminas», tal como alegam os seguidores da dieta dos crus. No entanto, o conceito não é pacífico e são raros os especialistas em ciências alimentares que aconselham este tipo de dieta.

Apesar dos benefícios, a especialista defende que «uma alimentação à base de alimentos vegetais crus se torna restrita em alguns nutrientes como proteínas de alto valor biológico (de origem animal), que contêm aminoácidos essenciais, e também em hidratos de carbono e gorduras».

Perigos ocultos

Na opinião da nutricionista, não só ficarão a faltar ingredientes essenciais, como o consumo de alimentos sem cozedura pode ser perigoso para a saúde. «Os adeptos desta dieta acreditam que ajuda a desintoxicar o organismo», refere. «Mas não me parece que seja tão linear, pois os alimentos ficam mais expostos a microrganismos prejudiciais. Há, portanto, um maior risco de ingestão de alimentos contaminados com microrganismos nefastos e de não satisfazer as necessidades nutricionais», refere.

Exemplo disso são os espinafres e a beterraba, ricos em nitratos e enzima nitrato-redutase. «Estas substâncias podem provocar metahemoglobinemia, especialmente perigosa nas crianças, causada pela oxidação do ferro da hemoglobina ao estado férrico, que não é funcional», explica ainda.

Os defensores desta dieta afirmam, contudo, que é possível evitar o risco de intoxicação e de insuficiência alimentar. O segredo passa, acreditam, por uma mudança em quatro fases. Só na última etapa, é que a dieta «elimina» os produtos de origem animal e passa a 80 a 100 por cento de alimentos crus.

A influência da televisão

Um dos principais rostos deste conceito é Charlie Trotter, autor de vários livros da chamada culinária a cru e apresentador de «The Kitchen Sessions with Charlie Trotter», no canal televisivo PBS. Proprietário de um restaurante em Chicago, este chef revelou, em entrevista à revista Época, o segredo das refeições a frio. «Os sabores dos alimentos crus são muito limpos, puros e diretos», diz.

«Se servir o menu inteiro só de crus e não disser nada, a pessoa nunca vai adivinhar», afirmou ainda. «Na verdade, sentir-se-à óptima, mais leve e lúcida. Precisará de menos horas de sono e a sua pele ficará mais elástica», acrescenta ainda o rosto deste regime alimentar alternativo que atrai milhares de pessoas em todo o mundo.

Veja na página seguinte: 10 mandamentos fundamentais para quem quer comer cru

10 mandamentos fundamentais

Os conselhos dos defensores da alimentação a cru:

1. Conheça a origem e a qualidade dos alimentos que consome.

2. Saiba quais os aditivos químicos presentes na sua alimentação.

3. Substitua os alimentos como a carne, por «alimentos preservadores da vida», como a fruta e os vegetais.

4. Combine, pelo menos, três alimentos diferentes em cada refeição.

5. Substitua as bebidas cafeinadas por chás herbais ou, de preferência, por água.

6. Prefira produtos lácteos de cabra ou ovelha, mais facilmente digeridos. Pode também optrar por bebida de soja ou de arroz.

7. Coma quando está relaxado e mastigue bem os alimentos.

8. Use mel, xarope de ácer ou malte de cevada, em vez de açúcar refinado. A comida com açúcar tende a criar muito stress para o organismo.

9. Experimente pão à base de centeio, milho ou até de arroz. Se tiver de comer trigo, prefira o integral.

10. Aposte nos smoothies (comida passada pela liquidificadora). Permitem comer mais em menos tempo e ajudam o estômago a digerir os alimentos.

Texto: Fátima Lopes Cardoso com Carla Vasconcelos (nutricionista)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.