Três mulheres deram à luz bebés com problemas congénitos como microcefalia e lesões cerebrais provocados pelo vírus Zika, informaram os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

Das outras três mulheres, uma sofreu um aborto espontâneo, outra interrompeu a gravidez e a terceira deu à luz a um bebé morto. Nestes três, análises de laboratório também revelaram a presença do vírus Zika.

Saiba também10 cuidados básicos ao viajar para países com Zika

Leia ainda: O drama dos bebés que são o rosto de uma epidemia

Leia aindaCampeão olímpico congela esperma por medo do vírus Zika

As seis mulheres mencionadas no relatório foram infetadas quando visitavam países com surtos do vírus.

No total, 234 grávidas deram resultado positivo para Zika nos Estados Unidos até 9 de junho, segundo os CDC.

Os cientistas acreditam que as mulheres infetadas com Zika durante o primeiro trimestre da gravidez têm entre 1% a 13% de possibilidades de que o feto desenvolva microcefalia.

A Direção-Geral da Saúde em Portugal recomendou, a propósito do vírus Zika e dos Jogos Olímpicos, que decorrerão no Brasil, que as grávidas não devem viajar para este país e que, se os cônjuges o fizerem, devem depois usar preservativo.

O vírus Zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, expandiu-se rapidamente na América Latina e Caribe nos últimos meses.

Também há uma crescente evidência de que o vírus pode ser transmitido por via sexual.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.