O número total de vítimas mortais devido a complicações associadas à doença foi divulgado pelo Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doença, e confirmado agora pela ARS-N, que no último balanço feito à Lusa, em novembro, tinha assinalado 11 mortes.

A mesma fonte da ARS-N garantiu hoje que, nos hospitais de Matosinhos, Porto e Vila do Conde/Póvoa de Varzim, que tinham recebido 89 doentes infetados, já não há ninguém internado devido a este surto.

A bactéria foi detetada em novembro, nas torres de refrigeração da fábrica de laticínios Longa Vida, em Matosinhos, mas ainda não há dados conclusivos que seja esse o local da origem do surto.

A empresa, que ainda nessa altura desligou preventivamente os equipamentos, garantiu não ter recebido "informação sobre a correlação entre a presença desta bactéria" nas torres de refrigeração e a origem do surto.

A 29 de novembro, a ARS-N referiu que, "desde que foi suspenso o funcionamento das referidas torres de refrigeração, se verificou uma diminuição acentuada do número de casos de Doença dos Legionários, na referida área geográfica".

O Ministério Público (MP) determinou a abertura de um inquérito para investigar as causas do surto.

A doença do legionário, provocada pela bactéria 'Legionella Pneumophila', contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.