"A culpa do elevado tempo de espera para consulta está na falta de recursos humanos", garante o médico e professor João Morais, presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC).

Para este especialista, o elevado tempo de espera para uma consulta da especialidade não se deve apenas a uma questão de organização, mas à falta de profissionais médicos e não-médicos no Serviço Nacional de Saúde.

10 conselhos de um médico para ter uma saúde de ferro
10 conselhos de um médico para ter uma saúde de ferro
Ver artigo

João Morais esclarece que a SPC "está bastante preocupada com as listas de espera para uma consulta da especialidade, e que estas se devem, essencialmente, à falta de recursos humanos, mais do que a questões de organização", lê-se num comunicado enviado pela SPC ao SAPO.

"O grande problema da Saúde em Portugal, neste momento, prende-se com a falta de recursos humanos. O Serviço Nacional de Saúde está cada vez mais a ser esvaziado dos seus profissionais médicos e não médicos e isso tem um preço, que estamos agora a pagar. Se a isso associarmos o facto de as vagas em Cardiologia não terem sido planeadas convenientemente, há hoje hospitais com uma clara falta de profissionais pelo que é natural que alguns deles não consigam dar resposta às solicitações em tempo útil", alerta o especialista.

Cardiologia não é a única especialidade médica afetada por longos tempos de espera. Urologia e Oftalmologia são outras duas áreas onde em alguns hospitais se pode esperar mais do que um ano por uma consulta.

Tempos máximos desrespeitados

De acordo com a Portaria n.º 153/2017, de 4 de maio, ficaram definidos os tempos máximos de resposta garantidos no SNS para todo o tipo de prestações de saúde sem caráter de urgência.

Estes 15 alimentos parecem saudáveis mas não são
Estes 15 alimentos parecem saudáveis mas não são
Ver artigo

No caso da Cardiologia, para as primeiras consultas em situação de doença cardíaca suspeita ou confirmada, o tempo de diagnóstico completo e de apresentação da proposta terapêutica ficou estabelecido em 15 a 45 dias após a indicação clínica para os doentes prioritários (nível 2) e 45 dias seguidos após a indicação clínica para os doentes eletivos (nível 1), incluindo-se nestes tempos a realização dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica que sejam necessários para estabelecer o diagnóstico, elaborar a proposta terapêutica e a apresentação à cirurgia ou à intervenção cardiológica.

Para a primeira consulta de especialidade hospitalar, o diploma fixou um tempo máximo de 120 dias seguidos a partir do registo do pedido da consulta efetuado pelo médico assistente através do Sistema Integrado de Gestão do Acesso dos utentes ao SNS.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.