Segundo uma nota do SIM-Algarve divulgada no seu ‘site’, a solução "passa pela urgente construção do novo hospital do Parque das Cidades, que já deveria estar a funcionar em pleno, a acreditar nas múltiplas promessas de políticos".

Em 2006, o Governo de José Sócrates chegou a lançar a primeira pedra do Hospital Central do Algarve, previsto para o Parque das Cidades, entre Loulé e Faro. Nesse ano, a construção da infraestrutura, entretanto adiada, figurava em segundo lugar na lista nacional de prioridades de novos hospitais.

Na semana passada, o SIM denunciou o pedido de demissão de três diretores de serviço do hospital de Faro que alegaram falta de resposta para a sobrelotação de doentes e pressões para atribuírem altas precoces, face ao aumento da procura e as consequentes dificuldades no internamento.

O SIM-Algarve considerou que, a confirmar-se, esta é uma "situação lamentável e inaceitável, de desrespeito pelos profissionais que diariamente tentam superar, com o seu esforço e dedicação, as deficiências dos hospitais e que são da responsabilidade de quem gere" o Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA).

"Como se não bastasse, considera o Conselho de Administração [do CHUA] que a solução para a sobrelotação do serviço de Urgência e do Hospital de Faro passa pela desumana e condenável aposta em excluir os idosos dos cuidados de saúde que lhes são devidos e a que têm direito constitucional", sublinha a estrutura.

O SIM-Algarve disse ainda repudiar "de forma veemente tais atitudes", considerando que o Conselho de Administração deveria "preocupar-se prioritariamente com a gestão do CHUA, criando soluções, em vez da promoção de polémicas estéreis que apenas contribuem para desgastar a instituição e desmotivar os profissionais".

O secretariado regional daquele sindicato salientou ainda que a lotação de doentes "sistematicamente excedida" no serviço de Urgência e nos serviços de Internamento "tem comprometido a capacidade cirúrgica e bloqueado o acesso ao Bloco Operatório, motivando o cancelamento frequente de intervenções cirúrgicas, nomeadamente cirurgias oncológicas".

Uma delegação da Ordem dos Médicos (OM) vai hoje visitar o hospital de Faro e reunir-se com a administração do CHUA para averiguar se existiram "pressões diretas" para que os médicos dessem altas antecipadas a doentes internados.

A administração, por seu turno, já negou ter pedido aos três diretores demissionários dos serviços de Medicina Interna que "adotassem qualquer medida que colocasse em causa as boas práticas clínicas".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.