Neste dia em 1897, Sir Ronald Ross fez um avanço que mais tarde lhe ganharia um Prémio Nobel da Medicina quando encontrou parasitas de malária em mosquitos dissecados do género Anopheles.

Ao identificar os mosquitos como agentes que espalham o parasita de pessoa para pessoa, Ross abriu o caminho para que possamos reduzir o risco de infeção por malária ao controlar o próprio mosquito tendo-se conseguido evitar mais de 6 milhões de mortes por malária nos últimos 15 anos.

Apesar dos sucessos dos últimos anos nas diversas estratégias de controlo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda estão em risco de contrair malária cerca de 3 mil milhões de pessoas.

Veja a infografia abaixo a propósito do Dia Mundial do Mosquito, em que poderá a ficar a conhecer um pouco mais sobre o mosquito, o porquê e como transmite doenças e algumas das suas estatísticas e impacto assustador que o tornam o animal mais mortífero do mundo.

Será o mosquito o animal mais mortífero do mundo?
créditos: Euroclinix

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.