O último foco da traça da batata da Guatemala foi identificado em Ourense, a apenas 60 quilómetros do Minho.

Segundo escreve o jornal El País, as autoridades galegas não estão a conseguir controlar o inseto, que facilmente percorre longas distâncias, e temem "repercussões económicas desastrosas para o setor".

A sua comida favorita corre o risco de desaparecer? Conheça 10 alimentos em vias de extinção
A sua comida favorita corre o risco de desaparecer? Conheça 10 alimentos em vias de extinção
Ver artigo

De acordo com o referido jornal, os tratamentos aplicados pelos agentes sanitários estão longe de ser eficazes e por isso as autoridades da Galiza mandaram destruir mais de 400 toneladas de batata. Pelo menos 1.323 agricultores já foram indemnizados.

Victor Novo, chefe do Serviço de Saúde e Produção Vegetal da Xunta de Galicia, diz ao jornal espanhol que "há motivos para preocupação", tendo em conta que a Galiza é uma grande produtora de batata. Segundo dados espanhós, o país produziu 117,8 milhões de quilos de batata em 2017.

"Devemos ter medo"

Os estragos junto dos produtores de batata levaram o Governo autónomo da região vizinha - a Xunta da Galicia - a emitir um decreto recentemente que estabelece também novas regras no processo de indemnização. "Com este cenário, devemos ter medo", assevera Victor Novo.

Desde 1999 que as ilhas espanholas das Canárias, e mais recentemente as Astúrias, reportavam a existência da traça da Guatemala - uma larva que se desenvolve dentro da batata, destruindo todo o seu miolo.

Em 2015, foram reportados os primeiros casos do inseto na Galiza, uma região espanhola a norte de Portugal.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.