O relatório publicado pelo Instituto Sueco para a Economia da Saúde estabeleceu o ponto de partida do debate “O Futuro do Tratamento do Cancro em Portugal”. As conclusões foram apresentadas em Lisboa, no dia 27 de Setembro, por Nadim Habib, professor da Nova School of Business and Economics.

A iniciativa consensualizou cinco medidas de ação para melhorar o tratamento oncológico em Portugal, visando o acesso atempado dos doentes às melhores terapêuticas sem perder de vista a sustentabilidade do sistema.

A primeira recomendação aponta para o reforço das verbas alocadas à Saúde e para uma revisão do modelo de financiamento em Oncologia. Segue-se a valorização dos recursos humanos, onde se incluem os profissionais de saúde, tendo em conta a importância fundamental da sua motivação para a prestação dos melhores cuidados de saúde.

Veja ainda: Os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses

Saiba mais: As frases que nunca dizer a um doente com cancro

A terceira proposta aponta a necessidade de implementar sistemas de monitorização de dados - como dados de gestão, de desempenho das instituições no tratamento do cancro e de utilização de medicamentos em contexto de vida real - para utilização pelos vários intervenientes, incluindo decisores e escrutínio público.

A contratação de profissionais especializados no registo e tratamento de dados, que assegurem a qualidade do processo, é a quarta proposta.

A quinta recomendação vai no sentido da introdução de critérios transparentes nos processos de avaliação e reavaliação das tecnologias de saúde e da redução dos atrasos do tempo de aprovação de inovação.

João Almeida Lopes, presidente da APIFARMA, defendeu que “este é um debate necessário e inadiável”, uma vez que “o conjunto dos dados sugere que existe imensa margem para melhorar as taxas de sobrevivência ao cancro em Portugal”.

A conferência contou ainda com palestras proferidas por Gabriela Sousa, Presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia, e por Ivana Cattaneo, Vice-Presidente do European Onco Steering Committee da Federação Europeia da Indústria Farmacêutica (EFPIA).

De acordo com o relatório do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas 2017, apresentado recentemente, a incidência das doenças oncológicas está a registar um aumento de aproximadamente 3% ao ano, constituindo a segunda causa de morte após as doenças cérebro-cardiovasculares.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.