A Proteção Civil italiana divulgou esta quinta o último balanço de casos de contágio, que subiu para 650, incluindo 17 mortes.

Na véspera, o balanço era de 400 casos e 12 mortos, todas as pessoas idosas já com graves doenças.

A contagem da Proteção Civil gerou críticas e difere da metodologia usada pela Organização Mundial da Saúde, que leva em conta apenas os casos clínicos, com sintomas como tosse, febre e problemas respiratórios.

Os mais críticos consideram que as divulgações oficiais registam um elevado número de contágios com o coronavírus por causa do grande número de testes realizados, inclusive em pessoas sem sintomas.

Para Walter Ricciardi, membro italiano da direção da Organização Mundial da Saúde (OMS) e assessor do governo desde a última segunda para enfrentar o surto, a Itália fez "muitos testes": mais de 11.085 desde a última sexta, em comparação aos mil feitos em França, por exemplo.

Ricciardi considera "um erro" os testes feitos nas "pessoas sem sintomas", citando em especial a região de Vêneto, uma das áreas mais afetadas, que segundo ele deveria ter feito os exames apenas nas pessoas que estiveram em contacto com os doentes.

O diretor da Proteção Civil, Angelo Borrelli, defendeu por sua vez a proposta em vigor.

"Os testes servem para garantir a máxima precaução. Em algumas áreas foram feitos de forma sistemática para determinar o foco do surto", explicou.

Borelli ressaltou que até agora há dois surtos - em Lombardia e em Vêneto - bem claros e que por ele agora pode-se mudar a metodologia e realizar testes apenas nas pessoas com suspeitas reais de estarem infectadas.

A Lombardia é a região mais afetada pelo contágio com Covid-19, com 14 pessoas mortas. Os outros dois mortos ocorreram em Vêneto e um em Emilia-Romana. Todos eram idosos e tinham doenças graves.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.