As informações recolhidas permitem concluir que em países em que a legislação relacionada com o aborto é mais restritiva há mais pesquisas online pelos termos "pílulas abortivas", "comprimidos abortivos" ou "métodos caseiros de aborto".

Segundo a BBC, a aquisição de fármacos abortivos online, assim como a partilha de conselhos sobre aborto clandestino em grupos de WhatsApp, são cada vez mais comuns.

Estas 10 doenças só atingem as mulheres
Estas 10 doenças só atingem as mulheres
Ver artigo

A análise da BBC mostra que países com leis mais duras, onde o aborto é permitido apenas para salvar a vida da mulher ou banido em qualquer circunstância, têm dez vezes mais pesquisas sobre o fármaco Misoprostol - uma substância abortiva comercializada com o nome Cytotec - do que países com menos restrições.

As leis e os métodos utilizados

Na reportagem, a radiotelevisão pública britânica refere que há dois métodos principais para induzir o aborto: a via cirúrgica ou o método farmacológica.

Em África, o Gana e a Nigéria são os dois países com mais pesquisas online por Misoprostol, de acordo com dados do Google. No Gana, o aborto só é permitido no caso de a gestação decorrer de uma violação ou incesto, se o feto apresentar anomalias ou para preservar a saúde mental da mulher. A Nigéria tem leis ainda mais rígidas: o aborto só é permitido quando a vida da mulher está em perigo, refere a estação de televisão.

Mulheres com o período não devem fazer bolos? 30 verdades e mitos sobre a menstruação
Mulheres com o período não devem fazer bolos? 30 verdades e mitos sobre a menstruação
Ver artigo

Dos outros 25 países com mais pesquisas sobre Misoprostol, 11 estão em África e 14 na América Latina. Em quase todos, o aborto é totalmente proibido ou permitido em casos muito restritos.

Na Irlanda, onde o tema está em discussão pública, abortar propositadamente pode resultar numa pena de 14 anos de prisão. Um referendo em maio mostrou, porém, que a grande maioria da população – 66,4% – é a favor do fim da lei antiaborto.

De acordo com a BBC, para além das pílulas abortivas, mulheres procuram também outros métodos para induzir o aborto. "Salsinha", "canela", "vitamina C", "aspirina" e "chás de ervas" surgem como alguns dos métodos associados ao aborto que são pesquisados online. Nenhum deles é considerado seguro pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Pelo menos 22,8 mil mulheres morrem todos os anos como resultado de abortos inseguros, segundo o Instituto Guttmacher.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.