A manter-se este ritmo, 2019 poderá transformar-se num ano recorde, segundo avança hoje o jornal Público (acesso pago) citando a bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OEnf), Ana Rita Cavaco.

No primeiro semestre deste ano, 2321 enfermeiros pediram à Ordem uma declaração para efeitos de emigração, documento que permite que trabalhem noutro país. Foram quase tantos pedidos como em todo o ano passado. A diferença é de apenas 415 e, a manter-se este ritmo, em 2019 poderá mesmo bater-se um recorde de emigração no setor.

Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Ver artigo

Até agora, o ano em que houve mais pedidos de emigração por parte de enfermeiros foi em 2014: 2.814, relembra o jornal. Em 2016 e em 2017 assistiu-se a uma diminuição na vaga de emigração destes profissionais.

"É um número recorde. E acabaram agora os cursos, havendo cerca de 3.000 jovens enfermeiros que ainda não sabem se ficam ou tentam emigrar", disse a bastonária da ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, recordando que faltam 30 mil enfermeiros no sistema de saúde público.

Quanto aos motivos que levam o número de pedidos a aumentar, Ana Rita Cavaco considera que se justificam pela "agressividade e a forma como têm sido maltratados em Portugal por parte desta ministra da saúde" e pelo facto de as condições de trabalho e de carreia ficarem aquém do que desejavam. "Há um sentimento de injustiça", acrescentou a bastonária.

"Os enfermeiros trabalham 70 horas semanais, acumulam milhares de horas a mais, e consideram que a carreira que era plausível sair acabou por ser uma mão cheia de nada", cita o referido jornal.

Apesar de não ser obrigatório, há quem ao fazer o pedido de declaração para trabalhar no estrangeiro partilhe o destino pretendido com a OEnf. Segundo a bastonária, o Reino Unido, Suíça e Bélgica estão no topo das preferências. Mas também há outros enfermeiros a "escolher mercados emergentes com o Dubai e a Arábia Saudita", indica Ana Rita Cavaco. Os Estados Unidos também se têm tornado um destino cada vez mais recorrente.

Médicos também em fuga

As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
Ver artigo

A emigração de médicos, sobretudo dos recém-especialistas, não é novidade em Portugal. Este fenómeno que à semelhança de outras profissões é muitas vezes chamado de Brain Drain, ou fuga de cérebros, voltou a aumentar em 2018 depois de ter descido desde o início da atual legislatura e ameaça, nos próximos anos, assumir a mesma dimensão que teve nos anos da crise económica.

Em meio ano, saíram quase tantos médicos do país como em todo o ano de 2017: a maioria dos casos diz respeito a jovens profissionais sem lugar para internato, que procuram tirar uma especialidade no estrangeiro. Este ano, a Ordem dos Médicos ainda não divulgou dados referentes à emigração destes profissionais nos primeiros seis meses.

Mas o fenómeno da emigração de profissionais altamente qualificados do setor da saúde não acontece apenas em Portugal. Em 2019, 1.671 médicos espanhóis pediram para trabalhar no estrangeiro. A maioria das solicitações ocorre em pessoas com menos de 35 anos que procuram melhores condições de vida.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.