Os especialistas da OMS “recomendam fortemente” que não sejam usados o Xevudy, baseado na molécula sotrovimab, e o Ronapreve, baseado na combinação casirivimab-imdevimab, na última versão do seu guia de tratamentos anticovid, publicado esta sexta-feira pelo British Medical Journal.

O Xevudy, desenvolvido pelos laboratórios GSK e Vir, e o Ronapreve, pela Regeneron, são dois medicamentos com anticorpos sintéticos contra a covid-19.

Até então, a OMS recomendava, com prudência, o seu uso em pacientes afetados por uma forma branda da doença e no caso de risco de que ela evolua para uma forma mais grave, devido à idade, peso ou outros fatores.

No entanto, a chegada da variante ómicron no final de 2021 colocou em questão a utilidade desses tratamentos. Os especialistas da OMS, com base em vários estudos in vitro, estimam agora que são provavelmente ineficazes perante as variantes em circulação.

Os especialistas atualizaram também as recomendações sobre outros medicamentos, principalmente o Remdesivir, do laboratório Gilead.

Esse remédio, que a OMS não recomendava até agora exceto em caso de formas ligeiras da doença, pode, segundo os novos estudos, ser considerado em alguns casos graves.

No entanto, nos casos mais graves, chamados “críticos”, os estudos não mostram um benefício do Remdesivir. Os especialistas não aconselham, portanto, o uso nesses casos.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.