- Qual taxa de mortalidade?

Mais mortal que a gripe, mas menos virulenta que as epidemias anteriores de coronavírus: esse parece ser o perigo do novo coronavírus batizado 2019-nCoV, mesmo que a sua taxa de mortalidade ainda não tenha sido determinada com precisão.

Até ao momento, 361 pacientes morreram em 17.200 casos confirmados na China. A primeira morte fora deste país foi registada no domingo nas Filipinas: um chinês de 44 anos da cidade de Wuhan, dos 150 pacientes listados em 24 outros países.

"2% dos casos confirmados morreram, o que é alto quando comparado à gripe sazonal", disse Michael Ryan, diretor de programas de emergência da OMS.

Essa taxa é "equivalente a todas as pneumonias virais presentes no hospital. Não é um assassino de perigo extremo", minimiza Didier Raoult, diretor do IHU Méditerranée Infection em Marselha, embora reconheça que "a verdadeira gravidade desta infeção respiratória não será conhecida até ao final da história".

Não se sabe quantas pessoas estão realmente infectadas. A taxa de mortalidade indicativa diminui a cada dia, pois, proporcionalmente, o número de novos casos registados aumenta mais rapidamente do que o número de mortes.

Um estudo publicado na sexta-feira na revista médica The Lancet estima em 76.000 (dez vezes a estimativa oficial) o número de pessoas infetadas em Wuhan, o berço da epidemia, com base em projeções estatísticas.

As duas epidemias mortais anteriores causadas por um coronavírus, Sars (Síndrome Respiratória Aguda Severa) e Mers (Síndrome Respiratória do Oriente Médio), foram muito mais virulentas. A epidemia de Sars matou 774 pessoas em todo o mundo em 2002-2003, de acordo com a OMS, incluindo 349 na China continental e 299 em Hong Kong, entre os 8.096 casos, com uma taxa de mortalidade de 9,5%.

Ainda em curso, a epidemia de Mers fez 858 mortos de 2.494 casos desde setembro de 2012, com uma taxa de 34,5% de mortalidade.

A gripe sazonal é muito mais mortal em números absolutos, pois mata entre 290.000 e 650.000 pessoas por ano em todo o mundo, de acordo com a OMS. Além da periculosidade do vírus, é também a sua capacidade de transmissão que determinará a gravidade da epidemia. "Um vírus relativamente pouco agressivo ainda pode causar grandes danos se muitas pessoas o apanherem", disse Ryan.

- Qual o nível de contágio?

Um dos parâmetros importantes é o número de pessoas infetadas por cada pessoa infetada, denominada "taxa básica de reprodução" (ou R0). Nos últimos dias, diversas estimativas foram feitas por diferentes equipas de pesquisa, variando de 1,4 a 5,5.

A mais recente é de investigadores chineses, autores de um estudo publicado na revista médica americana NEJM. Este grupo estima que cada paciente infetou uma média de 2,2 pessoas. É uma taxa maior que a gripe de inverno (cerca de 1,3), significativamente menor que o sarampo, altamente contagiosa (mais de 12) e comparável à Sars (3).

- Podemos ser contagiosos sem sintomas?

As autoridades chinesas argumentaram que o contágio era possível antes do aparecimento dos sintomas (que é o caso da gripe, mas não o da Sars). Essa hipótese, que não foi confirmada com certeza, poderia complicar o controlo da disseminação do vírus, pois dificultaria a localização de pessoas infetadas.

Mas mesmo que essa hipótese seja comprovada, seria necessário "ver o que pesa na dinâmica da epidemia", ressalta Arnaud Fontanet, do Instituto Pasteur de Paris. De facto, a tosse de um paciente infetado é um vetor importante para a transmissão do vírus, mas um paciente sem sintomas não tosse.

- A quarentena exclui os riscos?

Além das medidas de contenção na China, que têm como alvo dezenas de milhões de habitantes em Wuhan e Wenzhou, vários países estabeleceram uma quarentena de 14 dias para os seus cidadãos repatriados.

Essa duração foi decidida com base no provável período de incubação do novo coronavírus: a OMS estima o tempo entre a infeção e o aparecimento dos primeiros sintomas entre dois e dez dias, enquanto um estudo chinês publicado no NEJM estima em 5,2 dias, em média, com uma grande variação dependendo do paciente.

O facto de a estimativa ser preliminar e "imprecisa" justifica "um período de observação ou quarentena de 14 dias para os expostos", escrevem os pesquisadores chineses.

Além disso, uma pessoa que não declarou nenhum sintoma e que não foi novamente exposta a um risco de contágio é considerada fora de risco.

- Quais os sintomas?

O quadro clínico da doença respiratória causada pelo novo coronavírus torna-se mais claro após a análise dos primeiros 99 casos identificados na China, publicada no The Lancet. Todos esses pacientes apresentavam pneumonia, a maioria apresentava febre e tosse, e um terço sofria de falta de ar.

A idade média desses pacientes é de 55 anos, dois terços são homens e metade sofre de doenças crónicas (problemas cardiovasculares, diabetes...). Em 25 de janeiro, 11 desses pacientes morreram, 57 ainda estavam hospitalizados e 31 receberam alta.

Não há vacina ou medicamento para o coronavírus e o atendimento envolve o tratamento dos sintomas.

- Qual a origem?

A pista de um vírus do morcego, mencionada por investigadores desde o início da epidemia, parece confirmar-se.

De acordo com um estudo publicado esta segunda-feira na revista Nature, o genoma do vírus retirado de cinco pacientes seriamente afetados, que trabalhavam no mercado em Wuhan onde os primeiros casos apareceram, é "idêntico em 96%" ao de um coronavírus que circula em morcegos.

No entanto, ainda não se sabe que animal o transmitiu aos seres humanos. Identificar esse hospedeiro intermediário pode ajudar a conter a epidemia.

No caso da Sars, onde o animal em questão foi a civeta, a proibição do seu consumo tornou possível "impedir qualquer reintrodução" do vírus, lembra o professor Arnaud Fontanet. Por outro lado, uma das razões pelas quais a epidemia de Mers continua ativa é o facto de o reservatório do vírus ser o dromedário, um animal doméstico no Médio Oriente.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.