O cancro do rim representa 3% de todos os cancros e engloba um conjunto de subtipos de tumores malignos, dos quais o mais frequente é o Carcinoma de células renais, representando 90% de todos os tumores malignos do rim, com maior incidência entre a 6ª e a 7ª década de vida.

A obesidade, hipertensão arterial, tabagismo e história de familiar em 1º grau com cancro do rim são fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

Diagnóstico precoce = Cancro localizado

Atualmente, na grande maioria dos casos, é diagnosticado numa fase precoce, assintomática, em que a doença está localizada no rim e é possível, com segurança, oferecer aos doentes tratamento com intenção curativa, habitualmente cirúrgico.

Este facto deve-se, em parte, ao acesso generalizado a exames de imagem, como por exemplo a ecografia renal, que marcou um avanço notável na antecipação do diagnóstico.

Os exames de imagem como a Tomografia axial computorizada ou a Ressonância magnética nuclear, são hoje fundamentais para caracterizar estes tumores, auxiliando o Urologista no planeamento do tratamento cirúrgico. É crescente o uso da biópsia do tumor renal para confirmar o diagnóstico.

Também a cirurgia evoluiu, sendo hoje possível, quando o tamanho e a localização do tumor permitem, poupar com segurança parte do rim, retirando apenas o cancro, aquilo a que se chama de nefrectomia parcial. A forma de operar evoluiu radicalmente nos últimos 30 anos, tendencialmente com recurso a técnicas cirúrgicas minimamente invasivas, como a laparoscopia e a robótica. Esta evolução traduziu-se na optimização do tempo de recuperação pós-operatória e em menos complicações peri-operatórias para os doentes.

Nos países ocidentais, a mortalidade por este tipo de cancro tem vindo a baixar progressivamente, em parte devido ao diagnóstico precoce e tratamento cirúrgico eficaz numa fase em que a doença está localizada ao rim.

Diagnóstico tardio = Cancro localmente avançado ou metastizado

A apresentação clínica tardia do cancro do rim, atualmente rara, manifesta-se classicamente pela existência de sintomas como hematúria (sangue na urina), dor no flanco do abdómen e existência de uma massa abdominal palpável, devendo alertar de imediato o doente a procurar o seu Urologista.

Quando o Cancro do rim está disseminado para outros órgãos (metastizado) continua a existir tratamento. Embora resistente à quimioterapia sistémica citotóxica, o tratamento consiste em fármacos que promovem a imunidade levando à morte celular programada das células tumorais (Imunoterapia) e outros que impedem a formação de vasos sanguíneos para o cancro se desenvolver (anti-angiogénicos), com efeitos laterais aceitáveis para os doentes.

Aliás, tem sido notável o progresso terapêutico a que se tem assistido nos últimos anos, o que tem permitido aumentar a sobrevivência dos doentes, controlando melhor a doença. A possibilidade de remover o rim ainda existe, devendo, no entanto, ser ponderada em conjunto com as outras terapêuticas, no contexto de reunião oncológica multidisciplinar urológica.

Num tempo de Pandemia por COVID-19, as outras doenças não deixaram de existir, daí se justifique este alerta para o Cancro do rim, doença que apesar de maligna, se diagnosticada precocemente, tem tratamento potencialmente curativo.

Um artigo do médico Ricardo Dias Cruz, Urologista no Hospital CUF Descobertas. 

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.