Um grupo de cientistas liderado por Miguel Castanho, docente e investigador do Instituto de Medicina Molecular (IMM), em parceria com investigadores da Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, está a trabalhar no desenvolvimento de medicamentos antivirais inovadores capazes de chegar ao cérebro e inativar vírus, como dengue, Zika, VIH ou SARS-CoV-2, evitando os seus possíveis efeitos neurológicos e ajudando a promover a saúde mental. Com financiamento da Comissão Europeia, o consórcio espera também incluir vírus que possam, entretanto, surgir e causar novas pandemias.

“Estamos a falar de vários vírus, alguns dos quais subvalorizados pela população, o que é um erro”, reforça Miguel Castanho. “É o caso da SIDA, que persiste como um problema sério; do sarampo, que levanta preocupações a nível mundial desde que alguns grupos começaram a optar por não se vacinar ou do SARS-CoV-2, que se sabe pode também provocar danos neurológicos.”

A esta lista juntam-se ainda os responsáveis pelo Zika, dengue e chikungunya, cuja ameaça, devido às alterações climáticas e à expansão das colónias de um tipo específico de mosquito, o chamado mosquito-tigre, já detetado no norte, sul e centro da Europa, incluindo Portugal e Espanha, se torna cada vez mais real.

“Estamos a trabalhar no desenvolvimento de um medicamento que deverá ter duas características inovadoras importantes: ser de largo espetro, porque uma mesma espécie de mosquito pode transportar várias espécies de vírus, como dengue, Zika ou chikungunva, e ser capaz de proteger o cérebro dos fetos em mulheres grávidas, porque um desses vírus, o Zika, tem capacidade de causar microcefalia nos bebés. Poderá vir a ser um medicamento preventivo, que protege contra o desenvolvimento de infeções, ou um medicamento curativo, isto é, que inativa vírus que já iniciaram um processo de infeção no corpo”, esclarece o investigador do IMM.

David Andreu, investigador da Universidade Pompeu Fabra, reforça a importância desta parceria e do alerta da Organização Mundial de Saúde sobre o chamado Longo Covid. “É certo que o fim da pandemia de Covid-19 já foi decretado, mas há uma chamada de atenção, que se traduziu num plano de abordagem de emergência para a doença, isto devido aos milhões de casos de Longo Covid que vão continuar a necessitar de cuidados médicos".

Esta continua a ser, de resto, uma preocupação, com a OMS a estimar uma sobrecarga enorme para os serviços de saúde, que precisam de dar resposta aos doentes que continuam a viver com o impacto da Covid, procurando tratamentos que lhes devolvam a qualidade de vida, não só ao nível físico, mas também psicológico, o que justifica também a aposta deste grupo de investigadores.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.