Numa nota publicada no seu ‘site’, a Universidade do Porto revela hoje que a equipa, constituída por investigadores da Faculdade de Medicina (FMUP), do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) e do Hospital de São João, pretende desvendar os mecanismos moleculares da endometriose e testar um novo tratamento para esta doença “altamente incapacitante”.

A endometriose, doença que se caracteriza por um crescimento fora do vulgar do endométrio [tecido que reveste o útero], afeta cerca de 10% das mulheres em idade fértil e é uma das principais causas de infertilidade feminina.

Os principais sintomas da doença são “dor pélvica, recorrente e incapacitante, e infertilidade, condições que diminuem muito a qualidade de vida das mulheres e o seu bem-estar”, esclarece Delminda Neves, professora da FMUP.

“Há dificuldade em controlar a dor e necessidade de interromper tratamentos quando há intenção de engravidar”, acrescenta a coordenadora da componente laboratorial do projeto.

Para saberem mais sobre a endometriose, os investigadores vão colher, analisar e caracterizar as células do endométrio e do tecido adiposo de mulheres com a doença submetidas a cirurgia.

Metformina, um fármaco "seguro"

No decorrer do projeto, que terá uma duração de cerca de dois anos, a equipa vai também desenvolver um “estudo pioneiro” sobre o tratamento da endometriose com metformina, um fármaco “seguro” e “vastamente utilizado no tratamento da diabetes, incluindo a diabetes gestacional”.

A metformina, além de baixar os níveis de açúcar no sangue, intervém na secreção do estrogénio, na mitigação da inflamação e da oxidação, e na redução do crescimento ectópico [fora do vulgar] do endométrio.

“A expectativa é que este fármaco possa constituir-se como uma alternativa às escassas terapêuticas médicas existentes para a endometriose, que são exclusivamente de natureza hormonal”, observa a nota, acrescentando que o tratamento hormonal está associado a “efeitos secundários relevantes” como o descontrolo do ciclo menstrual, retenção de líquidos e dores de cabeça.

“Esperamos demonstrar o impacto da metformina no tratamento da endometriose, nomeadamente da dor crónica, sem interferir com a fertilidade e com o desejo de engravidar”, acrescenta Delminda Neves.

O projeto de investigação foi recentemente distinguido com o Prémio de Investigação da Sociedade Portuguesa de Ginecologia, no valor de 10 mil euros.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.