“A investigação em cancro tem deixado um bocado esquecida a investigação em cancro pediátrico. Esta é uma área em que tem de ser feito muito investimento, pois não tem tido tanta atenção da indústria farmacêutica porque não tem tanto alvo terapêutico”, disse à agência Lusa Luís Costa, presidente da Associação Portuguesa de Investigação em Cancro (ASPIC).

Investigadores nacionais e internacionais e associações de doentes juntam-se na sexta-feira na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, num encontro que permite mostrar o ‘estado da arte’ da investigação em cancro pediátrico em Portugal, o que se está a fazer no estrangeiro e perceber como é que o panorama nacional pode melhorar.

Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Ver artigo

“O país tem falta de estratégia, mas sobretudo tem falta de implementação. Às vezes o que precisamos da tutela não é só investimento económico de grande soma. Por vezes são coisas tão simples como permitir a contratação de coordenadores de estudo, porque não se pode fazer ensaios clínicos sem coordenadores de estudo nas instituições”, explicou Luís Costa.

Só assim – acrescentou – “o país pode ganhar capacidade para participar em ensaios clínicos e mostrar que podemos fazer tão bem como na restante Europa. Isto permite-nos incluir na rota da investigação”.

Em declarações à Lusa, Bruno Cardoso, investigador do Instituto de Medicina Molecular, aponta igualmente a falta de financiamento na área da oncologia pediátrica, sublinhando que, comparado com o cancro da mama e colorretal, o cancro pediátrico representa uma franja pequena.

“Não temos facilidade de financiamento direto (…) Normalmente, candidatamo-nos a oncologia ou biologia e conseguimos por aí o financiamento”, afirmou

Mas o investigador aponta igualmente a necessidade de uma maior organização e de estratégia, para que os investigadores saibam quando há concursos, quais são e programarem o trabalho de laboratório.

“Infelizmente temos problema crónico em termos de financiamento, nunca sabemos com o que podemos contar pois não existe calendarização. Isto, em termos de planeamento estratégico para um laboratório, é muito complicado”, acrescentou.

Já Luís Costa, que também dirige o departamento de Oncologia do Hospital de Santa Maria, diz que o encontro de sexta-feira servirá para aproximar da sociedade civil do trabalho dos investigadores e dar a conhecer o que de melhor se faz na área da investigação em cancro pediátrico, em Portugal e no estrangeiro, e perceber o que falta para poder melhorar.

10 alimentos que aumentam o risco de cancro
10 alimentos que aumentam o risco de cancro
Ver artigo

“A oncologia faz-se com o que de melhor se sabe, mas ainda há crianças a morrer de cancro. Para quem não temos boas alternativas, a melhor opção não é entrar por medicinas que não podem oferecer o que não se conhece, mas sim tentar investigar da melhor maneira como, com novos protocolos, novas abordagens, podemos melhorar o panorama destas crianças”, defendeu o presidente da ASPIC.

Luís Costa afirma que “a ciência pressupõe estar aberto a todas as alternativas”, mas frisa: “Isto significa que aquilo que se encontra tem de ser reprodutivo em qualquer situação e não seja somente uma experiência isolada, de uma pessoa que possa querer dizer que ela é que tem a solução. Tem de ser uma solução representativa para todos”.

“Isto é uma prioridade. Não se pode avançar em oncologia sem investigação e a investigação parte do laboratório, mas depois tem de chegar ao doente”, acrescentou.

O encontro, organizado sob a chancela da ASPIC, conta com o apoio na organização da Acreditar - Associação de Pais e Amigos das Crianças com Cancro e da Fundação Rui Osório de Castro, assim como o patrocínio da Fundação para a Ciência e Tecnologia, Fundação Calouste Gulbenkian, entre outros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.